sábado, 19 de setembro de 2020

No aniversário de Cândido Figueiredo: Uma sua biografia de Antero de Quental, in Homens e Letras, 1881.

 Cândido Figueiredo nasceu em Lobão da Beira, freguesia de Tondela, 19 de Setembro em 1846. Foi filólogo e escritor, chegou a ser membro da Sociedade Asiática de Paris e autor de pequenos estudos sobre a literatura e a cultura indiana. Com Luciano Cordeiro foi um dos fundadores da Sociedade de Geografia de Lisboa, e presidiu também à Academia das Ciências por mais de uma vez, duas das instituições com maior obra na história da cultura em Portugal, tendo ainda pertencido a outras. Foi político e governante em vários cargos. Dirigiu a revista literária A Folha, de 1873, com João Penha, Guerra Junqueiro e Gonçalves Crespo, e onde Antero colaborou. E o Cenáculo, de 1875, onde Antero também partilhou as suas energias poéticas. A sua obra mais conhecida e reeditada foi o Novo Dicionário da Língua Portuguesa, de 1899. Partiu da Terra com 79 anos, em 1925. Em 1881 publicou Homens e Letras. Galeria de Poetas Contemporâneos, onde traça esboçetos de 37 escritores, dando ainda no fim a biografia e bibliografia deles, e destacaremos Camilo, Alberto Pimentel, Gomes Leal, João de Deus, Joaquim de Araújo, Jaime de Seguier, Conde de Monsaraz, Junqueiro, João Penha, Sousa Viterbo, Antero de Quental, Tomás Ribeiro, Fernando Leal e Cristóvão Aires, etc.  

                 

Correspondeu-se e encontrou-se algumas  vezes com Antero, e publicou as cartas num livro, com as de mais 84 escritores, estando  a primeira datada de 1.V.1870, onde Antero, 4 anos mais velho que Cândido, faz uma crítica justa ao Tasso que este acabara de dar à luz, pela falta de naturalidade das personagens, quase abstracções e generalidades filosóficas, e sugere-lhe seguir o exemplo de Goethe e Balzac. Em 27.X.1874, Antero escreve-lhe de Lisboa a agradecer a visita que recebera solicitando-lhe colaboração para o Cenáculo, e confessando-lhe estar doente e que só pode dar adesão platónica, de que V. Ex.ª fará o uso que entender, e que eu tratarei, assim mo permitam os meus achaques, de transformar em adesão efectiva, assim que me cumpre». 

Em Maio de 1876, Antero escreve a agradecer o opúsculo sobre Escolas Rurais, que leu, elogiando-o pois «quem trabalha por esta causa, trabalha por uma coisa eminentemente séria, e V. Ex.ª, escrevendo o seu opúsculo, deu mais uma prova de que o seu espírito está virado para o lado grave das questões modernas». 

Quanto à última carta conhecida, e publicada por Ana Maria Almeida Martins, na sua incontornável edição da Cartas, é de 1881 e é a biografia e bibliografia escrita Antero, que Cândido Figueiredo lhe pedira para vir a figurar nos Homens e Letras, saído em 1881, tal como sucederá, com pequenas alterações justificadas. Leiamos então (e agradeço à Cláudia Lopes a sua trasncrição) abiografia de Antero por outro escritor da época bastante mais instalado na sociedade que o nosso peregrino idealista.

                                   ANTERO DE QUENTAL

«É um dos mais definidos caracteres da moderna geração literária. A sua passagem por Coimbra deixou vestígios indeléveis e gratos na tradição académica. A academia de Coimbra renova-se incessantemente, mas há nomes lendários que ela transmite de geração para geração, como coetâneos e imperecíveis. Para exemplo, João de Deus, João Penha, Antero de Quental.

Alto, nervoso, excêntrico, barba serrada e loira, cabeleira solta aos ventos do Penedo da Saudade, Antero tinha a solenidade austera e a unção mística de um profeta: a palavra caía-lhe dos lábios, sibilina, apocalíptica; e os confrades e neófitos ouviam-no como se ouvia um vidente em épocas de crença e de profecias. Nesses momentos, se a noite corria branda, se o céu se constelava de safiras, se a fonte do Castanheiro, os olivedos do Penedo da Saudade e as laranjeiras do Cidral suspiravam acordes umas harmonias flébeis, ele, o profeta, erguia o braço musculoso e esguio, e trovejava poemas, clamando:

A galope! A galope! À fantasia

armemos uma tenda em cada estrela.

E depois, julgando-se de facto domiciliado na via láctea, ou no primeiro andar de alguma constelação luminosa, conversava familiarmente com o infinito, tomava o imenso ao colo, beijocando-o como a uma criança, dava piparotes na eternidade, das estrelas fazia avelórios para missangas caprichosas; e, em seguida, como alquimista experto, dava aquelas continhas de vidro a natureza argentina, expunha as estrelas na sua joalharia, recomendando-as aos aeronautas como legítimos botões de prata do colete do Padre Eterno. Único.

Antero de Quental, pela rigidez do seu carácter, e pela autoridade da sua palavra, de uma gravidade excêntrica, deu vida, calor e convicções a uma sociedade secreta, - o Raio. - destinada a derrubar da reitoria universitária o Basílio Alberto, visconde de S. Jerónimo.

A sede desta maçonaria era ao ar livre, entre os arvoredos do Penedo da Meditação; e os irmãos reuniam-se em sabbats misteriosos, nas vésperas de feriado; e, sobre as cinzas fumegantes de um cigarro de Xabrégas, juravam com solenidade o destronamento do rei Basílio.

E o rei Basílio caiu.

Ao mesmo tempo, Antero de Quental ensaiava forças para um novo destronamento: o do rei Castilho.

Este chamou a si toda a velha guarda; e, entre Lisboa e Coimbra, feriu-se a mais rude peleja de que há memória desde o rei Ataces até ao rei Castilho. Acerca da vitória e dos resultados da memoranda pugna, opinaram diversamente os historiadores e cronistas daqueles obscuros tempos. Segundo as opiniões mais autorizadas e fidedignas, parece que Eduardo Vidal continuou a fazer versos românticos. Teófilo Braga deixou de fazer versos líricos, e Antero de Quental achou quem lhe comprasse as Odes Modernas.

O leitor pio não imagina o espanto, a cara azeda, os arrepios, que as Odes Modernas produziram no bom indígena. Aquilo foi um banho de chuva na morna epiderme de uma vestal. Uma convulsão eléctrica percorreu os nervos sensíveis da meiga e pálida literatura nacional.

Os noticiaristas, os poetas, os gramáticos, os folhetinistas, que seguiam todos placidamente o seu caminho, paravam de súbito, como se lhes rebentasse aos pés uma bomba de dinamite. E discretiaram consoante as posses de cada qual. Ouviu-se muita coisa sensata, e ouviu-se muita tolice: é costume tocarem-se os extremos.

Mas as Odes Modernas representam apenas uma fase do génio poético de Antero de Quental.

As demais fases, denuncia-as na sua Beatrice, o seu volume de poesias líricas, e a moderna colecção dos seus sonetos.

A Beatrice é um delicioso poema de amor enflorado por um idealismo transcendente e casto.

Se eu fosse crítico, diria que os sonetos de Antero de Quental, valendo muito, valem menos que a Beatrice.

Um dia, no escritório de uma revista literária que eu dirigia em 1875, o marquês de Sousa Holstein fazia umas objecções amigáveis à condescendência, com que eu publicara naquele periódico uns versos, meio libertinos, de um rapaz inteligente.

Nessa ocasião, trouxe-me o carteiro um soneto de um colaborador efectivo da mesma revista. Relanceei os olhos pelo soneto, e respondi às objecções do marquês:

- Aqui tem a expiação do meu delito: é um soneto firmado por um dos nossos colaboradores mais distintos. Intitula-se Plena gratiœ, e é dedicado à Virgem Santíssima, Senhora nossa.

- De quem é?

- Adivinhe.

- Sei lá! pelo assunto e pela ingenuidade da dedicatória, parece ser de estudante de seminário ou de colaborador gratuito e eventual da Nação; mas, colaborador distinto... não sei.

- Pois saiba que é de um socialista, de um republicano, talvez de um ateu.

- Então é troça.

- Pois não é. Veja. É um soneto respeitoso, grave e sério, como é sério e grave o seu autor, Antero de Quental.

E era assim. Este e outros sonetos que constituem a aludida colecção, desorientariam os mais perspicazes glosadores, se entre nós houvesse a exegese literária, como a há na Alemanha, na Inglaterra, e na Itália, onde as obras de Goethe, Shakespeare e Dante são o texto das mais eruditas prelecções críticas, literárias e históricas.

Se cada obra de um poeta correspondesse sempre a um fenómeno psicológico, eu diria que os sonetos de Antero de Quental denunciavam uma indefinida preocupação de espírito, um mal-estar nervoso, uma excitação que não cede ao chá de tília nem ao brometo de potássio; uma misantropia egoísta de filósofo incompreendido.

No entanto, os que o tratam de perto protestam contra esta interpretação, e continuam a reconhecer no poeta um espírito vigoroso e juvenil, uma sistematização racional de factos e teorias, uma inteligência desanuviada e ampla. Pelo menos, quem nas mais calmosas noites de verão cruzasse a praça da Alegria, em Lisboa, poderia, cosendo-se cautelosamente com as sombras das acácias, assistir de perto às mais cintilantes discussões, aos mais lúcidos discursos, aos melhores ditos, de que possa ufanar-se o mais selecto cenáculo de homens de espírito e talento.

No cenáculo da Alegria entra apenas Antero, João de Deus, e poucos mais.

O que sairá daquelas discussões e daqueles conluios? A república? Um poema? O nihilismo? A aniquilação do café Martinho? Uma opereta cómica? Uma guilhotina?

Dicant paduani

  Eis uma curta biografia, com graça e fidedignidade no Antero estudantil, amoroso e revolucionário, mas com alguma relativa incompreensão ou desvalorização da demanda filosófico-espiritual de Antero, nomeadamente espelhada na afirmação de que «os sonetos de Antero de Quental denunciavam uma indefinida preocupação de espírito, um mal-estar nervoso, uma excitação que não cede ao chá de tília nem ao brometo de potássio; uma misantropia egoísta de filósofo incompreendido.» Melhor fora se escrevera: uma intensa e ansiosa demanda da alma em busca da Luz da verdade e das certezas anímico-espirituais que ela faculta.

Terminemos com a parte final da carta autobiográfica de Antero, que serviu  para notícia no apendice  dos Homens e Letras, mas não sendo ali transcrita:

«A doença impede-me de dar seguimentos a trabalhos mais vastos e completos, que havia projectado, e provavelmente morrerei sem ter podido dizer mon dernier mot. Mas quem se gaba de o ter dito? Pouquíssimos, O incompeto e o imperfeito são sorte comum. Vale mais não dar importância a estas (no fundo e filosoficamente) ninharias e saber morrer na paz do Senhor.»

"Na paz do Senhor", na paz de Deus, na paz profunda, divina. Entregar-se à Divindade: fiz o que pude; mais não posso. Faça-se a Vossa vontade. 

Terá assim entrado Antero no misterioso Além, independentemente de ter encontrado em Paz luminosa ou não a sua alma quando esta se despiu da veste corporal?

Muita luz e amor para Antero de Quental no seu corpo espiritual.

Escrito no dia 19.IX.2020, quando Cândido Figueiredo faz 174 anos que nasceu. Para ele também muita luz e amor. Possam até ambos encontarem-se nos mundos espirituais.

                         Pintura dos mundos espirituais por Bô Yin Râ

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Antero de Quental e a Mulher. "A Propósito de umas poesias de D. Henriqueta Elisa", 1864.

Antero de Quental, em Junho de 1864, ano em que se formou em Direito, publicou no jornal  O Século XIX, de Penafiel, onde colaborava com muita regularidade, usando até o pseudónimo Bacharel José, e que era dos seus grande amigos António Joaquim de Araújo e Germano Vieira de Meireles,   duas poesias de uma senhora, D. Henriqueta Elisa, antecedidas dum  texto juvenil tão delicado, idealista, cavaleiresco para não dizer romântico, mas também espiritual e cósmico, acerca da Mulher, e em especial da poetisa, das que escrevem, que resolvemos, dado não  se encontrar ainda na web,  transcrevê-lo do volume I, das Prosas, Coimbra, Imprensa da Universidade, 1923, de um exemplar que pertenceu a António Alvim, familiar de António de Azevedo Castelo Branco, grande amigo de Antero. 
A Propósito de umas poesias de D. Henriqueta Elisa.
«Um nome de uma mulher purifica a página onde se escreve, como uma só planta de aloés purifica uma floresta inteira.
Os dedos grosseiros da crítica não têm que ver com estas finíssimas, impalpáveis teias de seda, suspendidas entre flores, onde o céu deposita as pérolas dos seus rocios da madrugada. São invioláveis como o mistério, porque são misteriosas como a verdadeira beleza estas poesias, que as mulheres escrevem como nós choramos - quando as mulheres sabem chorar... como nós escrevemos.
- Basta ter um coração. Um coração feminino! Não há princípio de estética transcendental, a mostrar-nos o caminho do belo, como esta bússola de oiro sempre virada para o Norte misterioso do sentimento.
A ideia do homem corre desatinada, como folha solta da árvore, impelida por aquele vento rijo e frio que se chama a Dúvida.
Mas a intuição da mulher, como pomba que voa direita ao ninho, sem bem ver, sem bem saber como, atina logo com a corrente de ar que a há-de levar ao último horizonte da harmonia.
Quem adivinha é a alma: a Sibila da humanidade, que prediz as quedas e as tristezas do coração! A feiticeira do mundo, que deita as sortes e ensina o caminho da felicidade perdida!
Como é flor tudo o que cai da amendoeira em chegando a primavera, assim é poesia e beleza a chuva de flores ou lágrimas, que a alma, sacudida pela inspiração, deixa cair sobre o solo duro da vida.
Ora na mulher tudo é alma. Um seu cabelo que o vento levasse correndo pelo espaço, seria isso bastante para encher o Universo de mais espíritos do que sonharam Milton e Klopstok. Um seu olhar, se o céu se despovoasse de seus anjos, seria o bastante a povoá-lo de novo das suas miríades.
Eu creio de fé na beleza destas poesias, que as mulheres escrevem com mão trémula, todas inclinadas sobre os ecos mais íntimos do coração. A minha Poética, por mais larga que seja, tentando avaliar a extensão daquele éter puríssimo, parece-me então tão disforme como um anão pesado e curto, que pretendesse medir, pela medida dos seus passos, a distância que separa dois astros no céu.
"Não batas numa mulher, nem mesmo com um ramo de flores" - dizia a doce mas profunda sabedoria do Oriente. Ora a crítica é um molho de espinhos.
Sintamos a beleza destas poesias e não as discutamos. A arte, que discute e pensa e estuda, pode deslumbrar-nos com a irrupção dos seus esplendores - mas só o coração nos sabe fazer chorar. -
Entre um frase e uma lágrima quem hesitará?...
Uma lágrima é a melhor poesia.
É esse o soberano poema da mulher - a Piedade.»
**
Seguiam-se no jornal O Século XIX as duas poesias,das quais o "Guia dos Túmulos", lemos e comentamos em dois vídeos de 5:00 e 20:00, que estão no Youtube, o segundo dos quais se encontra no fim deste artigo. 
*****
 
Deste tão belo escrito juvenil de Antero realçaremos o que ele diz do coração e da alma, certamente muito espontaneamente, e como tais níveis interiores do ser exigem um cultivo especial: o coração, para ele sinónimo de sentimentos e intuições, e sensível como Bússola,  do Belo, e podemos acrescentar do Bem e Verdadeiro, sendo um dos sentidos da vida despertar e manter o coração sensível e flamejante, como nos mostra a pintura de Zurbaran...
Quanto à alma feminina que adivinha ou intui, Sibila ou Feiticeira,  a partir do seu sentimento, intuição e amor, por contraposição ao pensamento e à dúvida do homem, e se expande nas dimensões subtis próprias, ora no  campo unificado de energia, éter, consciência que une todos os seres, ora nas profundezas da sua intimidade, onde escuta a voz interior ou os ecos que a inspiram, ela é verdadeiramente medianeira entre a terra e o céu, como lhe chamará Antero de Quental noutro dos seus três textos femininos, A Influência da Mulher na Civilização, escrito em 1860-61.
O texto é de grande beleza, embora traga já presente uma linha sofrida da mulher (quem sabe antevendo animicamente a sua frustração de não ter encontrado mais almas afins ou mesmo a alma gémea), certamente real: a Mulher como Pietas, Piedade, Compaixão. Mas será tal o soberano poema da Mulher? E se for a Mulher como Amor, Amante, Despertante, Unificante? Ou a Musa e inspiradora? Tantas faces que da Divindade no Feminino se podem avatarizar ou espelhar em cada mulher...
Muito bela a sua visão de que um cabelo ou olhar da Mulher levado pelo vento ou éter possa ter tantos efeitos luminosos no planeta, uma teoria que nos nossos dias de realce da inter-relacionalidade de todos os seres, ou do campo unificado de energia consciência, ganha cada vez mais aspirantes. 
Do idealismo que inspira e anima a visão poética da Mulher por Antero, podemos ainda admitir realisticamente que um olhar dela possa despertar o anjo ou as qualidades angélicas ou de Amor num ser ou nos seres...
Que esta missão de aumentar a piedade e o amor, e religar a terra e o céu, o corpo e o espírito, os grupos e países entre si, possa desenvolver-se cada mais harmoniosamente em e graças a todas as mulheres e almas da Terra e dos Céus, por onde peregrina Antero neste seu dia de anos de santidade, ou seja, de entrada no mundo psico-espiritual...
Muita Luz e Amor divinos, dos grandes seres e da Divindade, nele e em todos......

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

Antero de Quental e as causas desgastantes do seu corpo e vida rumo à Luz, por Catarino Cardoso. "Alma Nova", 1926.

  Nuno Catarino Cardoso (1887-1969), escritor, investigador e compilador de antologias poéticas, num artigo Antero de Quental. II O Seu Físico (reproduzido no fim) para a revista Alma Nova, de 15-VIII-1926, descreve brevemente os seus traços fisionómicos, onde destaca os  olhos azuis e cabelos fulvos, e afirma de chofre que ele era um doente, justificando tal em confissões epistolares de Antero, pois os  nervos e pensamentos escapavam-lhe do controle, e a vontade por vezes não levava o corpo à acção desejada.  Transcreve  extractos de umas cinco cartas, mas certamente ainda poderia encontrar bem mais, pois Antero em algumas linhas de muitas cartas, sobretudo a partir dos trinta anos, queixava-se regularmente dos seus males, embora isso não o impedisse de desenvolver actividades, investigações, poemas, textos e valiosos diálogos.
Conclui apressada e exageradamente: «tendo quase horror pelo semelhante, minado pela doença e pelo pessimismo, supondo a Pátria perdida, o fim de Antero, dificilmente, vencidos os últimos escrúpulos morais, podia ser diferente do que foi». 
Na verdade, Antero de Quental tinha bastante amor pelo seu semelhante e sobretudo pelos seus amigos, familiares (e altamente pelas duas crianças de Germano Meireles que adoptara), valorizava muito chegar-se ao amor desinteressado pela Humanidade, e embora visse que a situação política portuguesa era grave, tal não era razão bastante para se matar. 
Quanto ao vencer os escrúpulos morais, os que a educação religiosa e mesmo a ético-filosófica lhe ofereciam para preservar a inviolabilidade da vida, e que o levaram algumas vezes a comentar que era contra o suicídio, convém lembrar que tanto o seu amor e destemor com a morte foram sempre grandes e por isso mais do que vencer escrúpulos morais tratou-se apenas de ter sentido que chegara a hora de partir, de voluntariamente abandonar um corpo já demasiado desgastado e pouco capaz de lhe servir de veículo adequado a um ser do seu quilate psico-espiritual, embora certamente fiquem sempre dúvidas quanto às últimas desilusões ou compreensões que o impulsionaram para tal acto, e se ele pensava subsistir individualmente, ou se dissolveria no Absoluto ou no Nada, ou ainda se adormeceria cristãmente na mão de Deus, como ficou a rezar o soneto final dos seus Sonetos Completos...
Passa Nuno Catarino Cardoso depois em análise algumas das explicações propostas por médicos e pensadores para os padecimentos psico-somáticos de Antero de Quental, desde o estrangulamento do piloro (segundo Manuel Bento de Sousa), a um temperamento com algum histerismo, como Charcot diagnosticou, ou às fobias que Sousa Martins lhe diagnosticou, ou à doença da vontade, que Fidelino Figueiredo considerou, inclinando-se mais  para ser um fóbico, algo que nos parece incorrecto, pois Antero era forte e corajoso, um líder nos tempos univeristários, apenas tinha e teve vários momentos ou épocas em que estava mais fraco ou em que pensamentos, sentimentos e actos não se interligavam como ele gostaria ou desejaria, talvez consequência até em parte, para além da genética familiar, da sua actividade poética e filosófica desindividualizante na qual recebeu influências de leituras e desenvolveu algumas linhas de força enfraquecedoras da boa ligação ou fluída entre corpo saudável, aura equilibrada, alma com optimismo e amor (e faltou-lhe a mulher, mesmo gostando muito da mãe), espírito imortal e abertura ou aspiração à Divindade, embora tivesse lutado e intuído aspectos valiosos de panpsiquismo como algumas das suas cartas bem nos patenteiam.
Onde finalmente Catarino Cardoso se corrige e redime é quando escreve: «sempre estóico e quase sempre coerente consigo mesmo», continuando já de modo mais fraco «o drama da vida deles resume-se em duas linhas por ele escritas: Viver não foi em vão, se isto é a Vida, nem foi demais o desengano e a dor».
Como se pode resumir o drama de uma vida, ou de qualquer vida, ou em especial do genial Antero, em duas linhas? Mesmo nesse extracto citado de um dos mais luminosos dos seus sonetos, o Solemnia Verba, o que estão são três linhas, começando assim: «Respondeu: Desta altura vejo o Amor!
Viver não foi em vão ...»
 Saibamos realizar a mais alta evolução psíquica e espiritual posível e que a Luz e o Amor Divinos estejam bem vivos na alma imortal de Antero de Quental e nos seres que mais gostam dele....

Suzuki Shôsan (1579-1655), um mestre espiritual original e o questionamento do Cristianismo...

                                                              

  O mestre espiritual japonês Suzuki Shôsan (1579-1655), que tinha sido valoroso guerreiro, participando em algumas batalhas do começo do período Edo, a partir dos 42 anos retirou-se e tornou-se monge e fundador da sua própria síntese do Shugendo, do Budismo da Terra Pura e do Zen, gerando o Nio Zen, onde a contemplação assimilativa de uma estátua de Buddha (em geral feroz, como as de Fodo), a repetição invocação de Amitabha Buddha, o nembutsu (namo amida bu, namo amida bu), a animação da energia interna, o ki, e o cultivo de uma mente leve e optimista, eram muito importantes, questionará argutamente, numa obra sobre a "nova" religião do Catolicismo,  em 1642,  algumas certezas ou dogmas cristãos: «Porque razão Deus não apareceu em todas as nações para as salvar indiscriminadamente? Porque permite Deus a outros Buddhas (que Jesus) pregar diferentes doutrinas? Como pode Deus ser todo misericordioso se permitiu durante os cinco mil anos antes do nascimento de Jesus Cristo que todos os seres humanos fossem para o inferno?»

Tentaremos acrescentar mais indicações sobre a vida e ensinamentos  Suzuki Shôsan....

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Um jardim aromático e biológico, da Lia, aos pés de Budha, no Cartaxo, e do amplo rio Tejo.

Plantas, ervas, flores, vegetais e pedras na fraternidade dum outeiro do Cartaxo, onde eu e a Mafalda viemos em peregrinação à casa, atelier, jardim e alma da Lia...

                                                         

                                                Já a meio da tarde na Valada das Tágides, a Lia...

                                    Salva e manjericão, quem quer abrir o seu coração?
Cactos mais resistentes às securas da vida e mimosas flores, replicando o sol no rasterinho da terra, quem não harmoniza a sua alma em tanta beleza e simplicidade, tanta energia salutar?
Num canto mas no fundo centralizando as energias que descem do céu e que penetram ou vêm da terra, um Budha ou Bodhisatva abençoa todo o espaço...
Algumas plantas mais humildes e rasteiras lembram que a simplicidade é a chave do coração puro.

    A Mafalda tenta entrar e fluir no silêncio, na meditação, no seio deste horto do esposo búdico...

                        E uma pega, da gaia ciente, do céu desce e sonda os movimentos das almas à volta...
             Subitamente desfere o seu voo, tal como também nós fazemos no "é a hora" que nos cumpre
Feijão verde delicioso, tomate ainda verde, alface tenrinha enxameiam as almas de gratidão...
Salvia, tomilho, aloé dizem-nos que nas mezinhas da natureza há muita harmonia para o ser humano
Lia colhe rúcula, aos pés do senhor Budha, com o cimo da cabeça já bem aberto e desabrochado
                                          ao anoitcer 

O anoitecer chegado, as almas recolhem-se sob a luzes intensificada do horto búdico...

                                 

Vista do jardim para o páteo e o interior da casa, tão harmoniosamente ordenada.                                             

Altar caseiro: Shiva Nataraja dança sobre o ego e o mal, na infinita criatividade, destemor e amor...
         Seres de luz, anjos e mestres, apoiam-nos e guiam-nos e Lia homenageia-os, invoca-os.

Um mandala de amor e harmonia, realizado no atelier ao fundo do jardim, aberto ao futuro...

Cegonhas que inquirem da nossa linguagem do tempo em que os animais falavam
Não só de voos razantes mas ta
            Um T zero vasto, confortável, ecológico, barato, mesmo junto aos campos de arroz


Após as imagens de boas amizades, Lia, Mafalda e Pedro, dialogantes e meditantes, o voo de duas garças rápidas,  com a outra margem do rio ao fundo, numa metáfora convidativa do famoso hino ou sutra do Diamante que talvez o Budha do jardim do Outeiro exale com o perfume das flores e das ervas medicinais: Gate, gate, paramgate, paramsagate, Bodhi sva, Passou, passou, passou plenamente, passou completamente para além da margem, viva a intuição fulgurante!    Aummm

domingo, 30 de agosto de 2020

Poesia concreta espiritual ao som I, da Música das Esferas intuída por Pitágoras. Com música de Thomas Schoenberger

 Poesia Espiritual do Som sagrado, divino Iiiiiii, chave da Música das Esferas.

IIIIIIIiiiiiiiiiiiiiiiiii

iiiiiiii dizes, dizem iiiiiiiiiii

iiiiiiiiiiiiii gritas, gritamos iiiiiiiiiiiiii

iiiiiiiiii invade o céu e iiiiiiiii      entra  em tiiiiiiiii e em miiiiiiiiimmmm

Iiiiiiii, vibra líiiiiiiipido    nooo   íiiiiiiitttiiiiimoo de tiiiiiiiii

Iiiiiiiii ecoa em miiiiiim e em tiiiiiiiiiii

Imanente e transcendente, como captarmos pela consciência a essência

senão pela entrega criativa e amorosa, persistente e alegre,

quando deixas de segurar o teu barco no porto dos hábitos 

e não receias lançar-te ao mar alto e enfrentares ondas e piratas?

Como te podias deixar continuar a ser formatada diariamente ,

mesmo com teu discernimento apurado ajudando,

sem arderes de amor e te quereres entregar 

à liberdade da inspiração dos sons sagrados que soltas e ouves em eco

e que a noite cruzam e iluminam e o sono vencem?

Conseguirás entrar no coração subtil e divino,

sacudires todas as trevas de pensamentos negativos

de tiiii e do mundo iiiiiiiiiiiimundo?

Oh siiiiiiiiiiiiiiimmmm, diz que sim ao teu Espíriiiiito,

Sê Tu, Esto, sê a luz do espírito íntimo de ti,

mergulha no silêncio com a espada do iiiiiii

e canta-o através de todo o teu corpo e alma,

sacudindo todos os medos e dúvidas

e ressuscitando a tua identidade espiritual.

Eu sou o Espíiiriiito e e e a Deus o ofereço e a ele me religo.

i i i i i i ispirito,  

i em Ei, da Grécia mantra sagrado: Tu és, 

na Índia Tat Twam Asi, Tu és Isto,

Hi, no Japão, Sol e Um.

Saibamos meditar e orar este i ou hino, sermos mais despertos e harmoniosos com sua ajuda:  I, Ihs, Hi, Iao, Iom, Iispíiriito,   Spiritus, Iiiii....

Reflexões sobre a luminosidade consciencial na Natureza de dia e de noite, nas fontes, campos e cidades.

No Bom Jesus do Monte. Ou de como os jardins, bosques e montes são mais sagrados nos seus efeitos nos momentos de transição (nascer e pôr do Sol) e particularmente de noite.

Eis-me de novo por este odorífero e frondoso bosque centenário, junto a Braga, que me recebe surpreso ao anoitecer, pois sendo Inverno não há aqui vivalma. Cumprimento os cinco cedros sagrados da entrada do poente [para quem vem dos hotéis e das capelas finais da Via sacra], com festas e beijo, e avanço à inspiração das sombras e vultos gigantescos que adquirem ao entardecer uma suavidade e lucidez quase infinitas, pois a água límpida dos tanques, o musgo das grande fragas, o céu enevoado, a palpitação do ar e os seres humanos e as árvores tornam-se um só todo.

  A meditação será já dentro do hotel, e tentarei sentir e aprofundar o ser e o poder real deste cume da terra portuguesa, antes assimilando as impressões da breve passagem pelo Porto, agradecendo a Deus por tudo e admitindo novas obras ou projectos.

 Quem abre à noite a janela do seu quarto e olha de súbito a paisagem, vê com seus olhos e sente uma estranha comunicação entre a terra e o céu. Não é chuva miudinha, não são cordelinhos de marionetas mas entre as árvores, as casas, os coruchéus e o céu há  partículas e correntes quase subtis em sentidos verticais  e diagonais e que vêm tanto da terra como sobretudo do céu.
As árvores mesmo tremeluzem na sua vitalidade. De noite perdem a beleza dos pormenores e das cores mas ganham em vulto, em aura, em mistério. São como gigantes ou guardas palpitantes e tento vê-las na suas subtis dimensões.


Que força perseverante as sustenta há séculos, impassíveis perante as derrocadas dos impérios e dos humanos e protegendo  os sucessivos templos destes montes do Bom Jesus e do Sameiro desde há séculos investidos de cultos,  possibilitando-lhes serem centros ainda de mais elevação ou captação energética vital e  espiritual.
Quando as nuvens se rompem e descobrem o céu, as estrelas cintilam imediatamente na nossa consciência e somos alertados e atraídos para o sítio ou zona no céu, donde uma centelha luminosa, um raio delas partiu e até nós chegou. Depois vamos descobrindo as centenas ou milhares linhas de força que cruzam subtilmente o vasto espaço estrelado, frequentemente ligando estrelas, formando constelações.

Então, de novo o mistério da comunicação entre a Terra e o Céu se estabelece e agora somos nós os artesões. As mãos elevam-se em taça ao coração e estabelecemos a ligação sentida com os mundos infinitos, com os grandes seres e com a Divindade.

Por momentos o edifício do hotel, algo estanque e tentando-se impermeabilizar ao Inverno, abre-se e deixa penetrar as energias que como nuvens nos penetram e envolvem.
Oiço uma fonte que corre ou jorra constantemente a sua frescura, num ritmo que impulsiona ao de cima na consciência, durante a meditação, primeiro as memórias de infância semelhantes de águas, fontes,  termas, e acaba por  projectar-se na Fonte Divina Primordial, trazendo à visão da memória alguns fontanários ou tanques belos conhecidos, e logo a fonte do seio da Virgem que teria esguichado leite para S. Bernardo, numa imagem tão sensual quão correcta imaginalmente da possível relação do homem com a mulher, ou do humano com uma face da Divindade feminina, 
numa aleitação benigna e que já vinha da tradição grega com Hera, amamentando Hércules e esguichando a via Láctea...
                                                              

                                    

Tema de algumas belas pinturas artísticas, o grande asceta S. Bernardo, da Ordem de Cister, o impulsionador dos templários e das cruzadas, duro com os heréticos albigenses e com Abelardo, ei-lo a beber ou a chupar o líquido sagrado, para não se dizer o seio....

Que ousada imagem de simbolização e descodificação do seio da mulher, como phalus, como uma parte activa e emissiva no corpo feminino e como o ser humano se pode alimentar ou harmonizar com ele.  

A receptividade do homem perante a mulher, ou mesmo homem feito mulher - receptividade - passividade (em especial o monge, o asceta) e a mulher feita homem-activa, tal como já no evangelho gnóstico de S. Tomé, Jesus falava disto, da mulher que se torna homem, vertical, unificando os oposto dentro de si, ultrapassando-os.

A manhã faz-se mais cedo junto aos bosques e aos campos do que nas cidades pois nestas as sombras da noite, a luminosidade derivada de luzes artificiais e o cimento das casas permanecem mais insensíveis à luminosidade do novo dia. No campo é diferente, pois tudo anseia, absorve, reflecte e intensifica a claridade, o calor e a vitalidade solar que se anunciam lentamente por uma gradual diminuição da escuridão até ao esplendor fecundante e ressuscitante do nascer do sol.
O canto dos pássaros talvez também dê, além da alegria e quase acção de graças, mais luz às matas, bosques e ambiente na aurora. 

Não é também a luz, som, raios, partículas? Quem saberá discernir os efeitos dos sons e cantos das fontes e aves nos seus ambientes naturais ou mesmo nos largos, jardins e beirais das aldeias, cidades e bosques?
As trocas energéticas entre a terra e o céu são mais intensas nos campos e nas montanhas do que nas cidades ou mesmo nas planícies, embora estas também acolham o sol, a chuva e os ventos com maior ou menor receptividade.
Abro a janela da varanda, sinto a chuva miudinha nos pés e cumprimento os pássaros que me respondem. Estão satisfeitos por terem nascido neste bosque sagrado e suas imediações puras, pouco devassadas..

De manhã, durante o dia, a nossa visão penetra nas diferenças e deixa-se aprisionar nos quadriculados dos detalhes. De noite, com a obscuridade e o silêncio, vemos mais o conjunto, a totalidade, a energia global, e é uma visão mais demorada de empatia e de fusão, pois a racionalidade tende a exercer-se menos enquanto a sensibilidade, a emocionalidade e a intuição aumentam...

Caminhar à noite pela natureza, pelos jardins ou mesmo por certas zonas das vilas e cidades, ou junto aos rios e costas, é muito harmonizador e desafia-nos a sairmos da celeridade do conhecido e do atarefado para um espaço-tempo mais sacralizável pela nossa consciência, então ligando os movimentos do corpo e os sentimentos e pensamentos da psique, rumo a momentos súbitos de sensibilidade e intuição da Unidade e do Amor.