sábado, 2 de dezembro de 2017

Ainda a morte de Antero. Dezembro de 2017...


   Quando Antero resolve morrer fisicamente, quando renuncia à sua vida e ego no corpo terreno, ou mesmo em si mesmos, podemos pensar que estamos diante de um sacrifício, de um fazer sacro, de um entregar-se a Deus, de um assumir doloroso de uma morte-renascimento voluntária-abrupta.
É evidente que não sabemos a quem é que Antero se estava a dar, a entregar, se à desistência frustrada, se à morte endeusada, se à morte redentora, se à Divindade, se ao Não-Ser, ou se simplesmente ao simples descanso e paz, quem sabe na mão ou substância infinita e omnipresente divina?
Não temos porém meio de saber qual o pensamento ou os pensamentos e sentimentos que o animavam, ou impulsionaram, no momento de premir o gatilho, ao que consta, e como ele terá confirmado com os dedos, duas vezes, sentado naquele banco de jardim pintado de verde e sob o signo da âncora e da Esperança...

Havia hesitações, ou cogitara e decidira que chegara a hora, que já não tinha condições para continuar na Terra e que concluíra a sua missão nela?
Como não pensarmos na morte de Sócrates, tendo de tomar a cicuta pelas suas mãos calmamente, ou na de Jesus repudiado por judeus e romanos e mesmo assim entregando-se a Deus sem rancores, ou a de Hallaj quando não se retratou, e por isso foi morto, de ter dito ana al-haqq, que Deus nele afirmava ser ele Deus?
Vários aspectos da vida de Antero convergiram, após uma juventude fulgurante, para o não-ser, para o não-existir, para o não encontrar o seu lugar e plenitude na Terra e assim, retraída a plenitude divina criadora nele e com a sua doença psico-somática, as forças da passagem para o outro mundo e portanto da morte, internas e externas, cresceram. E, em alguém que sempre cultivara não só o destemor perante a morte como o desprendimento em relação ao amor da vida, em alguém intrinsecamente corajoso, e desde jovem líder no dar o passo inicial revolucionário,  também o passo fatal voluntário de cruzar o umbral  e ver o que resultaria surgiu-lhe como apetecível, como natural, como consequente, como inevitável, não sabemos se nocturna e sombriamente, se ainda numa subtil tonalidade de amanhecer... 
Provavelmente sentiu o quanto faria sofrer algumas almas, em especial as suas duas jovens pupilas e alguns amigos e certamente isso terá sido o mais doloroso na sua via sacra...
Também possivelmente não estava ressentido com as pessoas ou ambientes que o encarreiraram e apressaram na vereda estreita que o levaria a tal acto de abandono samuraico da vida terrena. 
Morria assim simplesmente em sincronia com uma desadaptação geral derivada da sua própria evolução psico-somática de envelhecimento e desagregação, que pouca harmonia realizava com o seu Eu e com o meio ambiente e que já era incompatível para o seu eu lúcido mas desgastado,  face à constante insuficiência dos nervos, da digestão do sono e da qual resultava a vida no corpo físico se ter tornado um purgatório inútil.
Poderemos então interrogar-nos: e então quando ele sai do corpo físico para que níveis ou planos invisíveis parte, que cores e densidade de alma ou corpo psico-espiritual leva, que tipo de sentimentos-pensamentos o envolverão durante mais ou menos tempo? 
Quem estava por perto, quem foi o 1º ser a apoiá-lo? A sua mãe, o Anjo da Guarda?
Perguntas difíceis...
E hoje como está e onde se encontra Antero?
Na atmosfera da Terra, ainda com um corpo subtil próximo do terreno e apenas lentamente ganhando forças de luz e de Amor, para se elevar mais? 
A última representação iconográfica de Antero, uma pintura feita pelo seu primo Sebastião d'Arruda.
Ou simplesmente, sacrificialmente, com esse acto e pelas forças psíquicas e de consciência altamente desenvolvidas na sua vida, obra e epistolário tornou-se um ser que se conserva nos planos invisíveis próximos da Humanidade e que nos vai interpelando, inspirando, sobretudo enquanto leitores e pensadores da sua vida e obra?
E os nossos pensamentos e sentimentos, orações e meditações, sorrisos e chamas chegarão até ele? 
                
O que lhe faltou mais na vida e que deve ser uma lição para nós? Amar, encontrar e viver com a amada? Ou também amar mais a Divindade internamente?
Que trabalhos e investigações na sua obra ele mais deseja que prossigamos? O que melhor nos faça e torne, na religião da Humanidade harmoniosa e livre?
Que valores núcleos mais altos ou significativos considerará ele agora estarem na sua obra e que nos podem fortificar e impulsionar no caminho de uma Humanidade mais harmoniosa e luminosa?
O amor, a liberdade, a aspiração ao bem, a sinceridade, a coerência, o ser-se justo, o dinamismo psíquico transformador, a fraternidade, a Divindade, o espírito em nós?
Mistérios, desafios criativos.... 
 ***
Texto dedicado a Eduardo Lourenço e à Ana Maria Almeida Martins, dois anterianos, já que há dois dias debatemos este tema em sua casa, estando ainda presentes a sua irmã e a sobrinha Isabel Fraga.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Dezembro e as efemérides do encontro do Oriente e do Ocidente, da Índia e de Portugal

1-XII. O padre Pedro Afonso, cirurgião e curador, escreve de Goa neste dia em 1560 aos companheiros jesuítas, em Lisboa: «A santa obediência me mandou, caríssimos irmãos, que lhes escrevesse esta, e na qual lhes desse conta do meu ofício, para que saibam o que o Senhor obra por um instrumento tão baixo como eu, e assim se alegrarão em Nosso Senhor, do qual todo o bem procede, e o que por minha parte falta Ele o supre, por sua piedade e misericórdia, porque de outra maneira ficaria tudo muito sujamente feito, porque Ele é o que dá a perfeição às coisas, quanto mais carecem de perfeição, de maneira que o que eu faço, fá-lo Deus». 22 anos segará na seara oriental. Esta condição de curadores do corpo e da alma, será uma das que melhor favoreceram certos portugueses, aptos por isso a sentir e desenvolver a compaixão que abre à fraternidade, conhecimento e inspiração universal: «trazem tantas diversidades de doenças que muitas vezes não me sei dar a conselho, porque trazem doenças que os doutores antigos não escreveram, e eu me vejo assim desconfiado de mim mesmo, parecendo-me que é impossível poderem-se-lhes sarar. Então me encomendo ao Senhor e aos meus santos que me ensinem o melhor e têm remédio». Esta parte final remete-nos ainda para duas características da Filosofia Perene e da Tradição Espiritual Portuguesa: a existência do corpo místico da Humanidade, hoje confirmada por vários investigadores na teoria do campo unificado de energia informação e que se pode concretizar na ajuda ou inspiração que podemos receber seja nas orações e meditações, seja nos sonhos, o que nos remete para a incubatio, inspiração nocturna e onírica, praticada nas raízes de Portugal, por exemplo no culto ao Deus Endovellicus, «de presença subtil presentíssima e prestantíssima», na zona do Alandroal, como bem o comprovam algumas aras e inscrições hoje no Museu Nacional de Arqueologia José Leite de Vasconcelos.
               

1640. Portugal reconquista a Independência, após 60 anos de subordinação à uma má e bastante opressiva administração castelhana, sobretudo com o conde de Linhares, por uma conjuração rápida e corajosa em Lisboa, em que se destacam D. Miguel de Vasconcelos, D. Antão de Almada (num desenho das época baixo), o futuro marquês de Marialva D. António de Meneses e outros corajosos lutadores da Restauração. A boa nova leva o seu tempo até chegar ao Oriente, e é acolhida com júbilo. Não aceite pela Espanha e pela Santa Sé, será pelas lutas prolongadas durante 28 anos que a Restauração triunfará.  

 2-II. Em S. Brás, na África do Sul, a armada de Vasco da Gama em 1497 vê 200 homens chegarem e «começaram logo de tanger quatro ou cinco flautas, e uns tangiam alto e outros baixo, em maneira que concertavam muito bem para negros de quem não se espera música; e bailavam como negros. E o capitão-mor mandou tanger as trombetas e nós, em os batéis, bailávamos e o capitão-mor de volta connosco». Pela arte, pela dança, pelo ânimo bom belos momentos de pontes entre mundos, seres e cosmovisões diferenes se ergueram e erguem.
                          
Bartolomeu de las Casas, o defensor intimorato dos Índios da
América, perante as brutalidades dos castelhanos, conclui a sua Breve Relação da Destruição dos Índios em 1542, em Valença, orando, clamando para «que o inferno seja retirado das Índias» e para que Deus não destrua a sua pátria pelos grandes pecados cometidos. A obra é proibida mas, duns poucos exemplares que escaparam, as reedições europeias multiplicam-se. Apesar de algum apoio do papa e de Carlos V a Bartolomeu de las Casas, a ganância desmedida dos europeus pela riqueza do Novo Mundo continuou a ser fatal para milhares senão milhões de Índios se formos contabilizar ainda a tragédia da ocupação das suas terras pelos norte-americanos e canadienses.  
                                                 

Às 14 horas de 1552, a alma e o espírito de S. Francisco Xavier desprendem-se do corpo ardente de fome, de febre e de amor, na ilha de Sanchoão, em frente da China que desejara evangelizar, e evolam-se para os mundos subtis, enquanto o seu corpo vai tornar-se um ícone. Oito meses antes de morrer, talvez já com a mira nos mundos infinitos, escrevera a S. Inácio: «Da China conto ir até Jerusalém e quando souber a distância escrever-vos-ei».
No Hospital Real de Goa em 1702 iniciam-se aulas de Medicina pelo Dr. Manuel Rodrigues de Sousa, sucedendo-lhe o Dr. Cipriano de Valadares e Dr. Manuel Rosa Pinto, e aqui se formarão inúmeros médicos bem úteis em Goa e em todo o mundo.
Morre o poeta Floriano Barreto neste dia 2 em 1904, no Porto,
quando estava a aprofundar na Faculdade de Medicina a sua licenciatura obtida na Escola Médica de Goa, com apenas 26 anos de idade e quando muito se esperava dele, tal como o grande amigo de Antero de Quental, Fernando Leal escreveu no prefácio da sua obra Phalenas. Com uma parte sobre assumptos indianos, Bastorá, 1898, escrita exactamente como este livro nas comemorações dos  da chegada à Índia de Portugal:«A não ser Moniz Barreto, que tinha talento na razão inversa do seu minúsculo corpo, e com quem Floriano Barreto tinhas afinidades espirituais e físicas, não conheço nesta Índia vocação literária mais firme e prometedora». Também Bragança Cunha e Júlio Gonçalves testemunham a sua qualidade anímica e poética, o último num belo in-memoriam no jornal Heraldo de 28-XII-1904. Oiçamos Floriano no seu estilo bem goês: «campos de voluptuosa relva, polvilhados de gotinhas de rocio que o sol transforma e cristaliza em diamantes, safiras e granadas, em gemas de vividos reverberos, e por sobre tudo isto, o «eterno feminino», a querida visão, com o doce luar dos seus olhos, com o encanto dos seus sorrisos, com as seduções do seu Amor!...»

3-XII. O capitão poeta da primeira expedição francesa ao Oriente, Jean Parmentier, morre na Samatra em 1530. Talvez inspirado na
obra chave da filosofia moral do Renascimento Oração da Dignidade do Homem de Pico della Mirandola, escreveu o Tratado em Forma de Exortação Contendo as Maravilhas de Deus e a Dignidade do Homem, um belo manifesto marítimo humanista. Os poucos sobreviventes da expedição do armador Jean Argo, de Dieppe, desalentados pela distância, e pela ferocidade indígena ou o receio dos portugueses, só terão continuadores no século XVII. 

O conde de Redondo D. Francisco Coutinho, o 8º vice-rei da Índia (de 1561 a 1564), um humanista e a quem Luís de Camões dedicou em 1563 uma ode impressa em Goa, opõe-se em 1561 às medidas fanáticas dos anteriores governadores Francisco Barreto e D. Constantino Bragança («por eu ver o muito prejuízo que disso se seguia ao serviço Del-Rei meu senhor, e ao bem desta terra»), e anuncia neste dia que os hindus fugidos às perseguições religiosas e a quem se confiscaram as propriedades, se voltassem no prazo de seis meses, receberiam de novo as terras. Mas em Lisboa as influências mais intolerantes dos meios clericais que circulam na corte não sossegam e em 1563 voltou quase tudo ao mesmo.
Adeodato Barreto nasce em 1905 em Margão. Estudante em Coimbra, revela-se um esforçado animador e divulgador da cultura e da vida indiana, conhecida então pelas obras de Lúcio Miranda, Santana Rodrigues, Luís da Cunha Gonçalves, Tello de Mascarenhas. Funda várias instituições culturais, colabora na Seara Nova e dirige o jornal Índia Nova. Dirá: «Causticada por contínuas invasões, a Índia criou uma civilização essencialmente plástica, universalista e compreensiva». 
Em 1937 em Lahore desincarna Narayana Swamiji, o discípulo principal de Rama Tirta. Sobre as visões disse: «Dois corações encontram-se. Há unidade. Visões são sombras e não se deve amar a sombra, mas a substância interior»; e quanto a grupos: «Não podemos ser sectários. Amor, puro amor, é onde nós estamos e vivemos».

4-XII. Em 1518 o missionário Frei António escreve ao rei para que se convide o capitão Krishna a visitar Portugal, o que sucederá em 1520. Mas em 1545 o intolerante padre jesuíta Miguel Vaz solicita ao rei que este seja expulso da comunicação com os portugueses, pois ao fim de tantos anos de serviço a Portugal continuava hindu. O rei anui, mas o capitão e embaixador Krishna já não regressará do reino de Bijapur, onde se encontrava então detido.
O decreto do vice-rei D. Antão de Noronha de 1567 permite a destruição dos templos pagãos nos territórios sobre dominação portuguesa, contrariando assim os decretos do Concílio de Diamper do mesmo ano, segundo os quais as conversões não podiam ser feitas sob a ameaça da força.
O P. Rafael Bluteau nasce em Londres, de pai francês em 1638. Pregador arguto, sábio original, viverá muitos anos em Portugal. Nas Primícias Evangélicas, Lisboa, 1685, oferecida a uma doutissima, poderosissima e virtuosíssima princeza (sendo que esta princesa era a livraria de D. Luís de Sousa, arcebispo de Lisboa, a quem dedicava uma oração dedicatória muito extensa), dirá que o Espírito Santo na terra «é o laço invisível, com que o homem se une com Deus pela conformidade das vontades».
A indo-portuguesa e francesa D. Joana Castro, a Begun, casada com o vice-rei da Índia francesa, o almirante Dupleix, e durante muitos anos uma verdadeira imperatriz e protectora dos portugueses, passa lamentavelmente os últimos anos de vida em Paris perseguida pela ávida Companhia das Índias Francesa, morrendo em 1756, com a filha e o marido ao lado. Das cartas de condolências vindas de Pondichery, a do P. Domingos louva-a: «Era ela verdadeiramente a mãe dos pobre aflitos... Devemos crer que o Senhor foi misericordioso para com quem em vida semeou tanto bem».
 
 5-XII. Nasce D. Paulo de Lima Pereira em 1538, filho do alcaide-mor de Guimarães D. António de Lima, cultor das humanidades e das musas, intrépido navegador e lutador por trinta anos anos no Oriente, da Índia a Malaca.
O P. Manuel Godinho nasce em 1630 em Montalvão, Portalegre. Depois de sete anos na Índia, o vice-rei António de Melo e Castro envia-o por terra a Portugal com correio importante sobre a cedência de Bombaim. Na Relação da sua viagem há boas descrições de povos e terras, há aventuras, mas na apreciação religiosa quase só vê «como o demónio soube tanto contrafazer nossas coisas, para encobrir as suas».
Carta de Queluz em 1880 de D. Carlos, príncipe regente, um estudioso da natureza, para o governo em Goa em que «manda novamente recomendar a Vossa Exa. o Jardim Botânico que mandara estabelecer em Goa, para ali se cuidar da cultura das mais interessantes plantas da Índia, China e ilhas adjacentes, a fim de se fazerem transplantar para o Brasil e outras colónias». Mas também do Brasil virão alguns frutos para a Índia, tal o caju e a goiava. Quanto às mangas, graças a enxertos, desenvolver-se-ão variedades muito saborosas, como a Goenchó Afús, a Afonsa de Goa. 


Sri Aurobindo, um dos últimos grandes mestres da Índia, revolucionário, filósofo e místico, abandona o corpo em Pondichery, no meio do pesar dos discípulos, neste dia em 1950, com 78 anos de idade terrena. Um belo túmulo de mármore no seu ashram é ainda hoje o centro de meditações silenciosas e perfumadas. Da sua vasta obra espiritual e filosófica, citaremos: «É um erro pensar que vivemos só fisicamente, com a vida e a mente exteriores. Estamos sempre a viver e a agir nos outros planos de consciência, lá encontrando outros seres e agindo sobre eles, e o que nós lá fazemos e sentimos e pensamos, as forças que recolhemos, os resultados que preparamos tem uma incalculável importância e efeito, desconhecido para nós, sobre a nossa vida exterior». O seu centro ou ashram em Pondichery e a cidade utópica de Auroville continuam a atrair pessoas...
6-XII. Está a decorrer no convento de Tomar em 1503, desde o dia quatro e até ao dia oito, um dos mais brilhantes capítulos gerais da Ordem de Cavalaria de Jesus Cristo, participando além do seu administrador D. Manuel, a frol da cavalaria portuguesa, que se destacará desde o Brasil até Malaca, não só em batalha, mas na diplomacia, nas letras, na religião ou na paz, ainda que alguns tenham sido vítimas da arrogância, ou de outros defeitos. 
Nasce em Tânger em 1537 D. Duarte de Meneses, que se notabilizará no norte de África e em Alcácer Kibir. Virá a ser o 15º vice-rei na Índia, entre 1584 e 1588, irradiando constantemente a sua coragem e bom senso. Deu especial atenção a Timor, criando o cargo de capitão-mor. O notável historiador e esotérico Faria e Sousa dirá dele: «De ânimo e de conselho e de autoridade grande, bom em latim e italiano e aficionado à Poesia, tanto que escreveu bons versos». 
Nasce Max Muller em 1823, em Dessau, na Alemanha. Dedicará a sua vida ao estudo do sânscrito e da civilização indiana, bem como à tradução das escrituras sagradas do Oriente, realizando-as com certo rigor embora por vezes os aspectos mais subtis lhe escapassem. Na sua biografia de Ramakrishna afirma: «Dentro de certos limites Yoga parece ser uma disciplina excelente, e, num certo sentido, todos nós devemos ser yogins. Yoga, como um termo técnico, significa aplicação, concentração, esforço». O Instituto Max Muller é ainda hoje em Calcutá um importante centro cultural, embora de mais de língua e cultura alemã.


7-XII. Sarada Devi, a mulher de Ramakrishna, liberta-se do corpo físico em 1892, uma vida inteira de casto serviço ao mestre e aos seus devotos e discípulos. Disse: «O mesmo Deus está presente em vós, em mim, e no mais baixo dos mais baixos». Swami Lokeswarananda comentará: «Ela praticou esta Verdade toda a sua vida. Deixou um exemplo de como permanecer devota e fiel a Deus, à Verdade e ao Amor sob as mais adversas circunstâncias». E o prof. Satchidananda Dhar, com quem trabalhei uns meses no centro Ramakrishna em Calcutá, dirá: «Apenas o serviço duma mãe é verdadeiro serviço. O verdadeiro serviço não quer nada em troca. É sempre desinteressado. Uma mãe serve as suas crianças sinceramente sem qualquer motivo. Sacrificar-se a si própria por elas parece-lhe o maior prazer». O serviço de Sarada Devi foi deste tipo e ela dirá que desde que se juntou a Ramakrishna «senti sempre como um cântaro de felicidade no meu coração».
Timor é invadido pela Indonésia em 1975, e começa mais um calvário dum povo, como outros, sacrificado aos interesses económicos dos mais fortes, mas com uma resistência tão montanhosa e abnegada, que foi possível autonomizar-se e recuperar a sua independência em 2002, após uma sofrida batalha sacrificial, e a ser respeitado nas suas diferenças e identidade própria, que já por vezes perante os portugueses as reivindicara com fereza.

8-XII. O capitão do navio francês “Sagrado” Raúl Parmentier, da expedição à Samatra, morre em 1530 perto da ilha. Pedro Grignon o poeta que participou na viagem épica e trágica, eterniza-o: «O corpo de Raúl que deitado foi ao mar / Para demonstrar que é digno de amar, / Os deuses marinhos com grande convicção / Recolheram-no assim como um seu semelhante. / E transmutado num ligeiro golfinho / Para neste mar salgado tudo nadar / E advertir muitas barcas e galés / Do mau tempo e da tempestade que estão para chegar».
Em 1697 parte para a Índia o P. Appiani, da Congregação da Propaganda da Fé. No relatório final ao Papa em 1702, elogia os missionários jesuítas de Madurai por terem encontrado o segredo da conversão dos gentios, ao sujeitarem-se a viver à maneira estranha, mortificada e penitente dos religiosos gentios, não comendo carne nem peixe, nem álcool, e apenas arroz, vegetais e yogurt. Elogia também a obra no Ceilão, onde se destacou o P. José Vaz, hoje santo. Foi o P. Roberto da Nobili um dos que iniciou esta aproximação de espiritualidades e que ainda hoje tem os seus seguidores: padres cristãos que vivem e vestem-se como os renunciantes e monges indianos, usam orações e liturgias das várias tradições indianas, vivendo em ashrams, centros ou eremitérios, destacando-se Shantivanam perto de Tiruchi, e o da irmã Vandana Mataji, em Laxman Jula, perto de Rishikesh, onde no mandir, templo, se encontram murtis, estátuas religiosas dos mestres, e se cantam os bhajan, hinos, das diferentes religiões, numa vivência ecuménica.
É fundada a Academia Portuguesa de História em 1720, que contará entre os seus membros pensadores que se distinguiram nas zonas orientais, e que publicará várias obras importantes.
                                         

9-XII. Faz hoje anos o infante D. Pedro, o das Sete Partidas, nascido de D. João I e D. Filipa de Lencastre, em 1392. O corpo da sua empresa era a Balança, com a divisa «Désir», desejo-aspiração-amor do Amor e do Bem, em ramos do áspero carvalho, uma das árvores mais características de Portugal. Fernando Pessoa cantou-o ou celebrou-o assim na Mensagem: «Claro no pensar, e claro no sentir, / E claro no querer; / Indiferente ao que há em conseguir / Que seja só obter; / Dúplice dono, sem me dividir, / De dever e de ser». Culto viajante e diplomata europeu, infausto na regência de Portugal (ao ser morto em 1449 na batalha de Alfarrobeira pelo seu sobrinho, o rei D. Afonso V), mas na qual respeitou as vozes municipais e apoiou os Descobrimentos, sempre foi sábio e independente, tal como afirmou no conselho reunido para deliberar a ida falhada a Tânger: «O principal intento é servir a Deus; peço-vos por mercê que saibais como o deveis fazer, e não como quereis ou podeis». Tinha por isso também como empresa um rochedo atravessado por uma espada, empunhada por uma mão saindo das nuvens, símbolo da união da sua vontade, na matéria mais densa, com a vontade divina, ou da sua acção e intuição. Deixou-nos o Livro da Virtuosa Benfeitoria, a arte de fazer e viver o bem firmemente, em grande parte uma tradução de Cícero, escrevendo na dedicatória a seu irmão e rei D. Duarte: «o sabedor de feitos alheios não tem em costume julgar de ligeiro (...) e assim as nossas vontades sempre fundemos em as perfeições mais altas e maiores das nobres virtudes». Eis um dos mestres de Portugal e da sua tradição espiritual...
André de Resende, um dos maiores humanistas portugueses, formado em Salamanca, Paris e Lovaina, autor dum elogio de Erasmo, educador de príncipes, poeta, antiquário, morre em 1573 em Évora, onde por mais de uma vez pregara sobre a igreja que é o corpo místico de Cristo, e por isso sempre pura e verdadeira, e a igreja dos eclesiásticos, corrompida, dissoluta e a precisar duma urgente santificação. Seguindo Cícero, considerou «o fazer guerras mais próprio das feras que dos homens».
Morre a Sóror Maria da Resurreição, prioresa do convento de Santa Mónica em Goa, em 1658, deixando uma relação da sua vida. A prioresa seguinte foi uma das duas filhas do governador do Estado Fernão de Albuquerque, a Madre Sóror Guiomar da Presentação que tanto soube ser prelada varonil na defesa do convento, como vidente, pois meditando na Paixão, terá conseguido ver o mestre Jesus, ouvindo-o responder aos seus anseios compassivos e amorosos «que não só lhe dava a Sua cruz, mas a si mesmo», no que muito se fortaleceu. A ocorrência destas visões de Jesus nas biografias de muitas das místicas tanto pode indicar a ligação delas ao Mestre no seu corpo espiritual, como ser o produto do condicionamento das imaginações e almas.
Denunciada e abortada a conjuração dos Pintos em Goa, são sentenciados em 1788, 15 réus a pena máxima, cinco a degredo e cinco a açoites. 14 padres são remetidos para Lisboa, sendo mais tarde absolvidos por D. Maria I. Pouco antes da revolução de 1789 em França, e da Inconfidência de Ouro Preto no Brasil, era sinal da crescente consciência do desassossego legítimo perante muitas incúrias.
               

10-XII. Morre em Goa, com 74 anos de idade e 60 de Índia, em 1616, Diogo de Couto, estudante brilhante, soldado valeroso, poeta, cronista-mor, guarda-mor da Torre do Tombo. Autor das melhores descrições críticas dos portugueses no Oriente, tanto nas suas Décadas, que continuaram as de João de Barros, e com uma visão muito realista das causas da decadência lusa, como sobretudo nas suas duas versões do Soldado Prático. Foi amigo e protector de Camões, a quem chamava o «Príncipe dos Poetas». Traumatizado por tanta negatividade na expansão lusa, desabafará: «O pior que lá há fomos nós, que fomos danar terra tão maravilhosa com nossas mentiras, falsidades, burlas, trapaças, cobiças, injustiças e outros vício que calo».
Decreto da proibição de exportação de escravos em todos os domínios portugueses em 1836. A abolição virá em 1858. Foi uma das actividades que não se coadunava com o cristianismo de reis ditos tão católicos, como D. Manuel, D. João III e seus sucessores, se bem que fosse prática comum em África e as condições de vida de alguns deles podessem por vezes em certos aspectos até melhorar, se tivessem a sorte de encontrar quem fosse mais humanos ou mesmo gostasse deles. Se o cronista Azurara já se condoera com a sorte das famílias separadas, será o sábio e austero humanista Sá de Miranda quem mais lapidarmente eternizará tal tragédia: «Spritos vindos céu, postos a lanços na praça», frase que o meu ilustre amigo, e especialista de Sá de Miranda, António Vitorino de Pina Martins gostava de citar.
Chega a Goa neste dia em 1871 num vapor inglês o infante D. Augusto, o primeiro príncipe europeu a vir a Goa, para ajudar a apaziguar a contestação (para não serem extintos e por melhores condições) de algumas unidades do Exército da Índia, e para ser o executor do decreto de Jaime Moniz da extinção do Exército. Distingue-se mais nos banquetes e festas, tentando ainda resolver o problema dos militares que iriam para o desemprego, a pedido das suas famílias.

11-XII. Parecer do Conselho de Estado reunido em Madrid, em 1623: «É forçoso procurar ajudar a Índia com algum dinheiro, e apertar os ministros de Portugal para que façam as diligências que possam para este socorro, e principalmente ordenando-lhes que se tenha muito cuidado, com que a gente que enviarem seja efectiva e lúcida, e não canalha tomada à força, e homens condenados à morte por seus delitos, como costumam fazer, pois se vê, que estes tais não podem ser de proveito, para nenhuma coisa boa». Contudo, uma lei dos Reis Católicos em 1497 concedera «perdão geral aos delinquentes que iriam servir à sua própria custa dois anos, os que mereceram morte, e um os que mereceram menos». 

Sri Bhagavan Rajneesh nasce neste dia em 1931 na Índia. Um dos mestres mais controvertidos deste século, com grande capacidade de discurso ou satsang mas também com um ego talvez subtilmente inflável,  iniciou milhares ocidentais em práticas espirituais das mais diversas proveniências em vivências e ambientes ora de descondicionamento total ora de certa manipulação, suscitando grandes momentos de amor e de luz como tantos desequilíbrios e escândalos, perseguições e opressões, na Índia e nos Estados Unidos da América, onde esteve mesmo preso, vindo a deixar o corpo em 1990. Também conhecido por Osho, os seus livros obtêm grande sucesso e, mesmo depois da morte, centros por todo o mundo e discípulos mantêm, ainda que mais capitalisticamente, a gestão do património de técnicas e práticas por ele aconselhadas. «Eu digo que o homem é mais do que todas as suas acções e todos os seus pensamentos. E a não ser que este mais seja conhecido, ninguém se conhece... O pensamento está sempre no conhecido. Deitá-lo fora e entrar em contacto com o desconhecido é o que eu chamo meditação».

12-XII. Começa o assédio a Goa de dez meses, em 1570, por um exército do Âdhil Khân comandado por Nori Khân, da coligação de príncipes do Malabar que atacava simultaneamente Chaul e Cochim. Eram mais de cem mil homens, mas D. Luís de Ataíde, reforçado pela esquadra de Malaca, vai constantemente fazer surtidas vitoriosas e acabará por impor-lhes uma contundente derrota. Pouco depois, este cavaleiro da Ordem de Cristo, armado junto ao monte Sinai por D. Estêvão da Gama, regressava a Lisboa e era recebido com grandes honras, em procissão à direita do rei. Mas não aprovando a incursão ao norte de África, voltará em 1577 para a Índia a fim de cumprir mais três anos como vice-rei.
D. Ana de Espanholim, mulher do governador Manuel de Sousa Coutinho, em 1591 confessa as culpas de «tratar misticamente com feiticeiros gentios», abjura e paga mil pardaus de multa. O governador, então cessante, e o filho escapam pela sua alta posição, embora os processos sejam enviadas para Lisboa, onde se juntariam a um inquérito sobre os seus actos de administração. Mas na viagem de regresso, um naufrágio em Gujarau poupa dos sinistros interrogatórios Sousa Coutinho e envia-o com três filhos para os lados subtis do mundo.
António Manuel Vilhena, grão-mestre da Ordem de Malta desde 1722, distinto pela coragem, o humanitarismo e as grandes obras de arquitectura e fortificação, morre em 1736, deixando gratas memórias e o seu nome numa pequena ilha onde edificara uma fortaleza.

13-XII. D. Manuel morre em 1521, ao fim de 26 anos de reinado deixando Portugal transformado num vasto império marítimo, à custa de bravos navegadores, guerreiros, governadores, missionários e comerciantes, mas no qual os gérmens da decadência se avolumavam pela incapacidade de adequarem-se os objectivos aos meios e de controlarem-se as grandezas, luxos e improdutividade que a riqueza dos monopólios das especiarias alimentava por um fugaz momento, para além de faltar-lhe uma base universalizante que pudesse conter ou receber as vários povos com as suas tradições e religiões, com o mínimo de opressões e destruições, algo que o humanismo de Erasmo propunha mais do que o missionarismo de Loyola. A arquitectura manuelina é sem dúvida o seu melhor testamento e nela ficaram inscritos, por sábios construtores nos cânones sagrados, tanto os símbolos do sonho imperial e messiânico (ou não era o rei um Emanuel, um Deus está connosco), como os duma demanda iniciática ou de plenitude espiritual, que alguns atingiram. 
Nicholas Roerich, o genial artista e mestre russo, morre neste dia em 1947 em Kulu Valey, nos Himalaias, onde passou os últimos 20 anos de vida (nascera em 1874) no seu Instituto Urusvati, base de partida para grandes expedições à Ásia Central. Adepto da unidade essencial do espírito na diversidade das religiões e tradições, pintou e escreveu sobre os mestres do Oriente e do Ocidente, ou mesmo inspirado por eles, considerando-os fazerem parte duma pan-humanidade. Sobre o ser feminino dirá: «Mulheres, sem dúvida vós tecereis e desfraldareis o estandarte da Paz. Destemidamente erguer-vos-eis para proteger os aperfeiçoamentos na vida. Acendereis um belo fogo em cada coração que criará e encorajará. Direis às crianças a primeira palavra sobre a beleza. Pronunciareis a palavra sagrada, Cultura». Os seus livros são dedicados aquela que com ele escreveu os livros de Agni Yoga e um rico epistolário, hoje em parte publicado, a «Helena, minha mulher, amiga, companheira de viagem, inspiradora. Cada um destes conceitos foi testado no fogo da vida. Juntos criámos e alargámos a consciência». Saibamos prosseguir na senda luminosa destes grandes seres, sós ou em casal!

14-XII. O jesuíta Antão Proença morre em 1666, após 19 anos de apostolado em Madurai, riquíssima região de templos e de yogis, com quem se viu confrontado em debates difíceis. Em Tricherapali conseguiu mil e tal baptismos em populações sempre prontas a seguir mestres e a ser iniciadas no que as possa aproximar mais da salvação e da felicidade. Diz-se que o seu corpo transladado ao fim de 27 dias estava ainda flexível.
Carta de S. José Vaz neste dia em 1688 no Ceilão: «Para minha reforma e aproveitamento espiritual entranhavelmente desejo recolher-me a essa clausura e viver nesse pequeno rebanho, à vista de Superior e irmãos; porque, por meio do bom exemplo e santo exercício que nele há, poderei alcançar de Deus o fogo luminoso com que o frio do meu coração se possa aquentar, e esclarecer o escuro do entendimento, e queimar-se o vicioso do apetite voluntário. Mas, quando vejo o desamparo desta cristandade, me acho mais desejoso e obrigado a não largá-la, senão quanto, e enquanto, com a ajuda de Deus, posso ajudá-la». Os dilemas da vida contemplativa e da vida activa, e a tripla divisão da alma: sensitiva, intelectiva e voluntária, com as suas questões de harmonização. 


15-XII. É impresso em casa de João Barreira, na rua de São Mamede, em Lisboa, em 1563, o Tratado que compôs o nobre e notável capitão António Galvão, dos diversos e desvairados caminhos, por onde nos tempos passados a pimenta e a especiaria veio das Índias às nossa partes, e assim de todos os descobrimentos antigos e modernos, que são feitos até à era de mil quinhentos e cinquenta. Com os nomes particulares das pessoas que o fizeram: e em que tempos e as suas alturas, obra certo muito notável e copiosa. Nas edições posteriores passou a intitular-se mais sinteticamente o Tratado dos Descobrimentos e não o dos Desvairados Caminhos das especiarias. Nele António Galvão recua bem as origens da história: «Diz Platão, nos diálogos de Timeu Eclísio, que houve antigamente no mar oceano Atlântico grandes ilhas e terras chamadas Atlântidas, maiores que África e Europa, e que os reis daquelas senhorearam muita parte desta nossa... A mesma ilha de Cádis se afirma ser tamanha que se juntava à terra de Espanha, e que as ilhas dos Açores eram uma ponta das serras da Estrela, que se mete no mar na vila de Sintra». Os feitos dos navegadores relatados na obra não se restringem aos portugueses.
O P. Manuel Godinho retorna de Goa por terra a Portugal em 1662
e escreverá a sua Relação. Sobre a sabedoria da Índia dirá que para ela «a alma do homem não é natural e verdadeira forma do corpo humano, senão que lhe assenta somente, governando-o como um arrais a barca, ou ao cavalo o que vai em cima», e que há traspassação ou transmigração das almas de uns corpos para outros.
Tratado em 1678 entre os portugueses e a rainha Chennamma de
Keladi, no qual aqueles são autorizados a erguer igrejas na zona da sua feitoria de Mangalore, a viajar pelo reino, e os cristãos a serem julgados pelo feitor e os sacerdotes, sendo só proibidos de converterem à força. 
John George Woodroffe nasce neste dia 15 de 1865 e depois de ter estudado e licenciado em Oxford passou a ser advogado, e partindo para a Índia onde foi juiz e jurista e tornando-se um notável estudioso e especialista do Tantrismo, publicando pela primeira vez para o Ocidente alguns dos textos clássicos desta tradição mais heterodoxa do hinduísmo, ainda hoje valiosos. Foi mais conhecido pelo seu pseudónimo de Arthur Avalon. 

                                           
Nasce em Kerala em 1908 Swami Ranganathananda, mestre e distinto orador da Ordem de Ramakrishna por todo o mundo, e que veio a ser presidente da Ordem, tendo-me transmitido a diksha ou iniciação na linha de Ramakrishna em 1998, em Calcutá. Acentuará em vários livros como a cultura ocidental tem desenvolvido a sua dimensão profunda graças também aos contactos com a sabedoria milenária do Oriente, pois a Humanidade é una, e na obra Ciência e Religião afirma: «O ambiente moderno e os problemas ecológicos talvez estejam a tornar impopular a tecnologia, ou melhor a tecnologia a mais, especialmente nos países avançados; mas ciência pura, com a sua paixão pela verdade e pelo bem estar humano, permanecerá sempre como uma das mais nobres demandas do ser humano; e o nosso país que nutriu este amor e demanda da verdade nos campos das ciências físicas, religião e filosofia no passado, deve continuá-la a alimentar em todos os campos na idade moderna. Religião e Filosofia na Índia, como nos são dados pela nossa tradição dos Upanishads, são apenas a continuação da procura científica da verdade ao nível dos dados sensoriais, nos níveis de experiência mais elevados de estética, ética e espiritualidade». Esta complementariedade entre o conhecimento mental e objectivo e o intuitivo e subjectivo é indispensável ao nosso desenvolver harmonioso de seres espirituais incarnados em sociedades cada vez mais regidas pelos parâmetros realistas e pragmáticos para não sermos alienados e massificados por eles, e para abrirmos espaço anímico a novas energias e informações, que a meditação tanto permite…
16-XII. A chegada a Goa do emissário do Preste João, o arménio Mateus, leva Afonso de Albuquerque a escrever ao rei neste dia em 1512: «Recebemos o Embaixador com procissão e viémos até à igreja com ele e ali pregou um frade pregador, e nos mostraram a Vera Cruz e no-la deram a beijar a todos, e tocámos muitas jóias nela». «Se Vossa Alteza visse o que vai na Índia depois que souberam que este era embaixador do Preste João parecer-lhe-ia prognóstico de alguma mudança grande — tão assombrada está a gente da Índia. Prazerá a Nosso Senhor que será começo da destruição da casa de Meca, que a mim parece mui pequeno feito de acabar, porque é terra muito fraca, e gente sem armas; os alarves vivem muito longe; na cidade de Meca não há senão gente de contas de rezar na mão, e alfenados sem nenhuma arma. Em Judá haverá aí 150 mamelucos que assenhoreiam e colhem esses direitos». Assim contribuía Albuquerque para a continuação da mitificação dum reino cristão aliado no Oriente, mas oposições não faltaram ao embaixador, desde o intérprete Gaspar da Gama, que levanta as mais graves e falsas acusações, aos que o levaram de barco e com tal brutalidade até Portugal, que o rei teve de os prender. Quanto à conquista de Meca não estava nos desígnios da Providência certamente... 
                              
Deixa o campo de batalha terrestre o terrível, mas íntegro, Afonso
 de Albuquerque em 1515, neste dia,  à entrada de Goa, regressando da reconquista de Ormuz e já sabendo que os que vêm para o substituir eram contra ele. Manda arrear a bandeira da nau à entrada da barra de Dabul e a sua alma liberta-se por fim dos conflitos terrenos. Na carta ao ingrato ou manipulável rei D. Manuel, diz-lhe: «Senhor, esta última escrevo a Vossa Alteza com os soluços precursores da morte. Um filho, por nome Brás de Albuquerque deixei nesses reinos, peço-lhe mo faça grande como meus serviços merecem, os quais eu fiz por minha serviçal condição; pelo que a ele mando que, sob pena de minha bênção, vo-lo requeira. Quanto às coisas da Índia elas falarão por si e por mim». Os choros pela sua morte, de todas as nações e religiões, particularmente das mouras que tinha casado, falaram logo dele. A Brás de Albuquerque devemos os Comentários ao Grande Afonso de Albuquerque e a casa dos Bicos, uma das poucas, e construída com algo dos méritos e frutos de Albuquerque, que resistiu ao terramoto de 1755. 

Nasce em 1906 Bede Griffiths, monge beneditino inglês que manterá vivo o ashram cristão de Shantivanam, perto de Tiruchi e que, se como S. João de Brito se vestia à monge indiano, foi muito mais longe que este na compreensão da unidade espiritual subjacente às religiões, colaborando no crescente diálogo inter-religioso, na sua longa vida de 87 anos. Baseado no precedente do neo-platonismo de Plotino adaptado por S. Gregório de Niza e Dionísio Aeropagita, dever-se-ia agora desenvolver uma espiritualidade cristã indiana, recorrendo à imensa sabedoria indiana, que considerou de uma profundidade superior até à grega. Tentando ultrapassar a oposição vida activa e vida contemplativa, Marta e Maria, dir-nos-á: «A contemplação é um hábito da mente que permite à alma manter-se num estado de recolhimento na presença de Deus qualquer que seja o trabalho em que está ocupado». Com ele dialoguei e meditei algumas vezes, ao passar um mês no seu ashram, em que as actividades do dia a dia combinavam bem o cristianismo e os contributos indianos, que ele com grande sinceridade demandava na sua busca de síntese e de realização íntima...

17-XII. Carta do Vigário de Malaca em 1514: «E eles claramente me disseram que a principal coisa porque vinham à Índia não era senão levarem muitos cruzados, dizendo o padre que se não contentaria se ao cabo de três anos não tivesse feito 5.000 cruzados e muitas pérolas e muitos rubis».
Texo em ingês, urdu e sânscrito: Khanzada Mirza Khan Abdul Rahim Khan-e-Khana (17 December 1556 – 1627) (Urdu: عبدالرحيم خان خانان), also known as Rahim (رحیم) was a poet who lived during the rule of Mughal emperor Akbar. He was one of the nine important ministers (dewan) in his court, also known as the Navaratnas. Rahim is known for his Urdu couplets and his books on astrology.[1] The village of Khan Khana, which is named after him, is located in the Nawanshahr district of the state of Punjab, India. Abdul Rahim was known for his strange manner of giving alms to the poor. He never looked at the person he was giving alms to, keeping his gaze downwards in all humility. When Tulsidas heard about Rahim's behaviour when giving alms, he promptly wrote a couplet and sent it to Rahim:-
"ऐसी देनी देंन ज्यूँ, कित सीखे हो सैन
ज्यों ज्यों कर ऊंच्यो करो, त्यों त्यों निचे नैन"
"Why give alms like this? Where did you learn that? Your hands are as high as your eyes are low"
Realizing that Tulsidas was well aware of the reasons behind his actions, and was merely giving him an opportunity to say a few lines in reply, he wrote to Tulsidas saying:-
"देनहार कोई और है, भेजत जो दिन रैन
लोग भरम हम पर करे, तासो निचे नैन"
"The Giver is someone else, giving day and night. But the world gives me the credit, so I lower my eyes."

Os padres jesuítas António de Almeida e Miguel Ruggieri internam-se de barco por formosos rios rumo a Pequim e o primeiro observa, em 1585, «que passada a província de Cantão não tem a China aqueles assombramentos de estrangeiros, antes todos nos tratam com mais reverência que em Xauquim». Em Janeiro 1586 chegam ao seu objectivo, a corte imperial de Pequim, mas será com dificuldades que catequizarão. Serão porém o P. Mateo Ricci e em seguida os jesuítas cientistas que conseguirão ver-se aceitos pela corte, transmitindo a cultura ocidental, recebendo a sabedoria oriental e convertendo algumas pessoas. 

18-XII. A cruz de S. Tomé, encontrada em 1547 ao cavarem-se os alicerces da igreja a dedicar a Nossa Senhora da Expectação no local do seu martírio em Meliapor, em 1561, dia de Nossa Senhora da Expectação, exuda um líquido, entre o suor e sangue, e repeti-lo-á em outros anos. O P. Hipólito Desideri, o missionário do Tibete, que por aqui passou em 1726, confirma que «quando muda a sua côr do cinzento original para um castanho avermelhado e um branco brilhante, e é envolvida num liquído espesso e sua, pressagia alguma infelicidade para a nação portuguesa». 

Nasce Antonio Floriano de Noronha em Lotulim, Salasete, neste dia em 1873. Depois de ter estudado em Goa formou-se em Direito na Universidade de Coimbra, onde já notabilizou pela sua erudição. Seguiu a carreira judicial chegando a juiz da Relação de Goa. Foi o grande dinamizador do Instituto Vasco da Gama, da Biblioteca Nacional e colaborou em diversos jornais como o Era Nova, Debate, Heraldo e sobretudo no Boletim do Instituto Vasco da Gama. Publicou vários livros, ora jurídicos, ora históricos e sociais destacando-se a descrição da Universidade de Coimbra e dos seus tipo de professores e praxes, e o «livro de combate pacífico de ideias... batalhar por aquilo que se me afigura verdadeiro e justo», com serenidade e tenacidade, Em Boa Paz, escrito dois anos após a proclamação da República a propósito da Questão religiosa, ou seja da Separação entre o Estado e a Igreja, mostrando as polémicas que se acenderam com uma sua decisão judicial e por afirmar que o Antigo Testamente esava cheio de obscenidades e mentiras». A obra faz uma certa história das perseguições à verdade que a crença literal no conteúdo da Bíblia provocou em relação a grandes cientistas, ideias, seres.
A União Indiana, em 1961, decide recuperar os territórios que constituíam o Estado Português na Índia e lança um ataque em múltiplas frentes. O que restava das antigas armadas portuguesas resiste ao avanço da armada indiana: a fragata “Afonso de Albuquerque”, cumprindo as tradições da Marinha portuguesa, combateu até ao limite das suas possibilidades. Em Diu, a lancha “Vega” enfrenta a aviação indiana até afundar-se, morrendo o 2º tenente Jorge Catalão de Oliveira e Carmo. As guarnições militares de Damão, Diu e ilha de Angediva lutam também, mas de facto foi mais uma representação de honra guerreira do que a aceitação dos factos que faziam Goa entrar no seio da grande Índia unificada.


19-XII. O vice-rei Saldanha da Gama, em 1729, oficia ao rei: «Toda a ruína deste Estado consiste visivelmente na falta de comércio» pelo «horror que todos os mercadores têm ao procedimento do Santo Ofício, não só pela diabólica paixão com que sentem verem ultrajados os seus ritos, mas também pelo que padecem nos cárceres».
Ao fim de um ano de prisão, em 1760, 228 jesuítas embarcam em duas naus, uns com a alma missionária de rastos, outros com a consciência pesada, regressando a Lisboa, o cais dos desembarques gloriosos ou trágicos. Mas como já eram muitas e de há longa data as invejas, e as reclamações contra os desequilíbrios causados pelos religiosos da Companhia, o machado abatera a árvore. Portugal, devido ao marquês de Pombal, acérrimo anti-jesuíta, será o país europeu onde eles mais sofrerão.
Goa, Damão e Diu, após alguma resistência dos portugueses, passam para a administração da União Indiana, em 1961, permitindo assim a completa reunificação política da Terra Mãe indiana. Se desde a independência desta tal seria de esperar, ao pôr-se a questão se poderia a trilogia sobrevivente ter sido entregue de forma mais harmoniosa para todos os interesses e tradições em causa, parece que a lei do karma se afirmou e quem pela espada conquistou, pelas armas foi vencido. Salazar pedira a resistência para obrigar os indianos a uma invasão em larga escala, esperando que o mundo reagisse; o arcebispo da Índia recomendou a entrega; e o governador general Vassalo e Silva escolheu esta, sem organizar qualquer tipo de defesa, apenas com pequenas lutas. A desproporção era enorme e as hipóteses de intervenção internacional esfumaram-se porque o veto da Rússia nas Nações Unidas a isso obstou. Por outro lado, os aliados ingleses demoraram nove dias para dizer que não podiam disponibilizar aeroportos. Assim terminavam quase quinhentos anos de presença e poder político na Índia, em que, sobretudo pelos conflitos de religiões e de interesses económicos, se frustaram em grande parte as expectativas e potencialidades do interrelacionamento mais harmonioso entre o Oriente e o Ocidente, a Índia e Portugal.

20-XII. Carta de Goa do mestre orador Pedro Sardinha ao rei, em 1545: «Martim Afonso vindimou a Índia de tal maneira, que não há que rebiscar nela daqui a muito tempo... Dou esta conta a Vossa Alteza não com intenção de mexericar, nem de praguejar de ninguém, porque são duas coisas contra meu ofício e condição natural, senão por me parecer razão que Vossa. Alteza saiba em quanta apresão ficam todos por culpa e cobiça de um... Espero em Deus na Boa dita de Vossa Alteza mui cedo toda esta terra se converta a Cristo e se cumpra aquilo que diz S. Paulo que todo o mundo seja súbdito a Deus; ao qual fico sempre rogando em meus sacrifícios que acrescente a vida e real estado de Vossa Alteza».
Cosme Anes, vedor da Fazenda na Índia e principal obreiro do Colégio de S. Paulo em Goa, é elogiado pelo reitor do mesmo em carta de 1548: «Não posso exagerar o amor e afeição que tem a esta casa, porque, do seu, nos dá e empresta, quando há necessidade e sem ele não se pode fazer nada. Bem se pode dizer que nem pedra sobre pedra estivera nesta casa, se ele não fôra». Infelizmente, como relata Gaspar Correia, nem todos os rapazes recolhidos pelos padres Diogo de Borba e Miguel Vaz o eram por livre vontade, sendo alguns a isso constrangidos.
Carta do 8º vice-rei da Índia D. Francisco Coutinho, «aquele único exemplo / de fortaleza heróica», como lhe chama Luís de Camões, dirigida neste dia em 1561 ao rei D. Sebastião: «Mas Vossa Alteza, por amor de Nosso Senhor que tenha mão nos muitos ordenados e desordenados que Vossa Alteza cá manda passar, porque passa muita a despesa pela receita».
O jesuíta que viverá mais tempo no Tibete, Hipólito Desideri, nasce em Pistoia, Itália, em 1684, e tornar-se-á na Terra dos Deuses um especialista do budismo tibetano, podendo pregar e estudar livremente, escrevendo então três livros acerca da transmigração das almas, Deus, e a religião cristã, que provocaram grande animação depois de terem sido lidos em audiência na corte: «A minha casa subitamente tornou-se o cenário de saídas e chegadas incessantes de todo tipo de pessoas, principalmente homens eruditos, professores, que vinham de mosteiros e universidades, especialmente de Sera e de Dreepung, os principais, para pedirem permissão de verem e lerem o livro». Os manuscritos existem ainda hoje em Roma, pois em 1721, cinco anos depois de ter chegado ao Tecto do Mundo, o P. Desideri foi mandado regressar a Roma. A sua relação do Tibete (e das viagens e das missões, frequentemente acompanhado de portugueses), é certamente a melhor descrição feita até então por um ocidental.

21-XII. Dia de S.Tomé. O seu martírio teria ocorrido pelo ano de 68, depois de ter cavado as fundações do cristianismo indiano. Os monumentos ligados à sua vida em Meliapor e Madrasta são ainda hoje ícones poderosos. O seu Evangelho, aparecido nos meados deste século em Nag Hamadi, consta de palavras directas de Jesus. 

Babur, o imperador artista mogol, chega ao seu Jardim de Lótus, em Dholpur no Rajasthan, em 1529, para festejar a finalização do mesmo e provavelmente para se deliciar a ler e a visualizar. Para os orientais, o Paraíso é o jardim da frutificação eterna, e a fonte de água que brota no centro é o Espírito divino que guia os peregrinos e sacia os corações purificados e intensificados segundo as leis do Cosmos. A contemplação do jardim geométrico, ou realizada dentro dele, clarifica.
O cardeal Egídio de Viterbo, notável humanista, que dominava o grego, latim, hebreu, caldaico, persa, árabe, expositor do Talmude, de Platão e de Aristóteles, admirador de Pico Mirandulano e de Marsílio Ficino, em 1507 neste dia pronuncia diante do papa uma Oração para celebrar a chegada ao Ceilão dos portugueses em que elogia «o muito e de há longa data trabalho da gente portuguesa, para abalar o poderio muçulmano e pregar o Evangelho, e na qual se encontra providencialmente unido o império político e o espiritual, sendo o seu piedoso rei Emanuel senão apóstolo, apostólico». Era quase a consagração duma concepção idealista do império português que, embora tivesse sido desejada pelo rei e alguns da sua corte e Ordem, e vivida nos seus requisitos internos por poucos, se foi tornando antes uma grande aventura de confrontos, que respondeu e moveu-se mais por actuações egoístas, ainda que frequentemente em resposta às circunstâncias agressivas, do que pela fraternidade e ecumenismo, que só alguns realizavam.
« - Lembrem-se que S. Tomé chegou à Índia quando muito dos países da Europa ainda não se tinham tornado cristãos e portanto estes indianos que remontam o seu cristianismo a ele tem uma história mais longa que muitos dos países europeus, e é verdadeiramente um ponto de orgulho que assim seja». Dr. Rajenda Prasad, 1º Presidente da República da Índia, nas celebrações do dia de S. Tomé, em 1955.

22-XII. Carta de Afonso de Albuquerque a D. Manuel em 1510: «Aqui se tomaram algumas mouras, mulheres alvas e de bom parecer e alguns homens limpos e de bem quiseram casar com elas e ficar aqui nesta terra, e me pediram fazenda, e eu os casei com elas e lhes dei o casamento ordenado de Vossa Alteza, e a cada um o seu cavalo e casas e terras e gado, aquilo que arrazoadamente me parecia bem». Mas dois anos depois Albuquerque escreve ao rei: «por outro capítulo diz Vossa Alteza que cessem os casamentos, assim os de Goa como os de Cochim e de Cananor; por este capítulo e por outra carta digo, Senhor, que há um ano que esse feito está de cala, porque aí não havia dinheiro; alguns fizeram vossos oficiais neste tempo, não sendo eu na Índia, porque querem também governar e mandar; agora que Vossa Alteza manda que cesse este feito, far-se-á.» Eram as retracções na política universalizante, provindas provavelmente dos sectores religiosos de maior rigidez ortodoxa, que não queriam casamentos civis segundo o mandamento de Afonso de Albuquerque, nem fusões de povos.
O P. João Nunes Barreto, portuense, jesuíta, depois de andar pelas prisões do norte de África consolando uns e tentando converter outros seis anos, foi nomeado patriarca da Etiópia, mas ficará antes por Goa pregando e meditando no nada dos títulos. Cinco anos viverá na Roma do Oriente, até em 1562 o ardor duma febre lhe lançar a alma para as regiões do além-mar.
Sai em 1821 o primeiro número da Gazeta de Goa, uma folha oficial dirigida pelo físico-mor Lima Leitão, físico-mor ou médico, e impressa num parque tipográfico trazido de Bombaim, instalado no andar inferior do palácio do Governo. 


Sri Ananda Acharya nasce neste dia em 1881 em Hugli, a antiga cidade dos portuguêses em Bengala. Educado na escola da igreja portuguesa de Bandel, licenciado em filosofia em Calcutá, parte para Londres para dar conferências e, por fim, estabiliza-se na Noruega onde durante 35 anos será mestre, poeta e escritor, morrendo significativamente, pois que para isso tanto meditara e orara, no dia do armistício, 8 de Maio de 1945. Dirá: «A ideia de considerarmos o mundo inteiro como a nossa própria alma é a verdadeira Bíblia dos lábios do homem interno».
O mestre e poeta Rabindranath Tagore inaugura a escola de Shantiniketan (a Abóbada da Paz), a norte de Calcuta, em 1901. Dirá: «A educação não consiste em ensinar coisas que os jovens esquecerão, logo que possam, sem perigo de serem reprovados nos exames, mas em auxiliá-los a desenvolver os seus carácteres pela forma que lhes é peculiar». Sem autoridade despótica, estimulando a criatividade dos alunos, numa atmosfera natural única, abençoada pelos mestres que ali passaram, ainda hoje é um valioso centro de cultura aberta, na vizinhança de Calcutá, e onde anualmente pelo Natal se reunem os Bauls, os bardos de Bengala, nos ardores místicos ao divino.
O mestre sufi Sai Qutab Ali Shah deixa a sua vestimenta terrena em 1910, perto de Hyderabad, Paquistão. Avisou-nos: «Conhece o teu eu, Oh! peregrino, pois o teu Senhor está dentro de ti». Insistia no dormir-se o menos possível, pois os momentos passados com Deus retiram a fadiga. Considerava as conversões despropositadas e aconselhava a permanecer-se firme na sua religião, pois se Deus aí o fizera nascer, aí estaria o seu caminho de crescimento. Acreditava que a auto-realização é o objectivo da vida e que o ego deve ser aniquilado, para uma pessoa atingir a unidade, pois Deus come ou alimenta-se da vaidade. 

23-XII. João de Barros em 1533 recebe o cargo de feitor da Casa da Índia, em Lisboa, o posto ideal para recolher informações dos seres e coisas, fulgores e fumos do Oriente, aproveitáveis para as suas famosas Décadas, onde, evitando nomear os piores actores na gesta dos Descobrimentos, segue um critério objectivo de verdade e deixando uma história geral da expansão portuguesa muito lida ao longo dos séculos. A sua obra Ropica Pnefma, de filosofia moral, é ainda hoje valiosa.
Tratado de cedência, aos portugueses, de Baçaim e Bombaim assinado por Bahadur Shah e Nuno da Cunha, em recompensa da ajuda portuguesa contra os mogóis, em 1534. Garcia de Orta, então médico de Martim Afonso de Sousa, na armada de quem viera para a Índia, escapando à proibição (1532) dos cristãos-novos saírem de Portugal, onde se preparava a instalação da Inquisição (1534), assiste à assinatura na nau “S. Mateus”, como médico humanista e amigo de ambos.
Jean François Champolion nasce em 1790. Conhecendo várias línguas, consegue cortar o nó górdio dos sons e ideias dos hieroglifos egípcios. Foi secretário do grande conhecedor da sabedoria clássica, em especial grega M. Dacier. 
Antero de Quental, numa carta escrita de Vila de Conde neste dia em 1882 para o seu grande amigo , poeta e publicista Joaquim de Araújo, e que termina no fim por "Do seu do Coração, Antero de Q.", mostra o seu espírito oriental de desprendimento (vairagya) e impassibilidade: «Meu caro Joaquim. Ando há bastantes dias para lhe escrever, mas o frio põe-me em estado que o mais pequeno esforço se me torna dificílimo, e escrever é sempre para mim coisa de esforço. Agora mesmo, aproveitando um momento de coragem, tomo a pena só para lhe dizer que sou sempre seu amigo e dos mesmo feitio. Você atribui a frieza o que em mim é simplesmente o resultado de um certo abatimento de espírito, que com os 40 anos se tem pronunciado, arrefecimento da imaginação, que já não me mostra, como mostrava, o mundo através de um caleidoscópio, cujas imagens ora me atraíam vivamente, ora com a mesma vivacidade me repeliam, e dando por conseguinte ao meu modo de ser uma animação particular. Hoje, fora das coisas mortais e do ponto de vista moral, tudo me parece igualmente curioso e igualmente indiferente.»
 Morre Paulino Dias em Goa, neste dia 23, de 1919, com apenas 45 anos de idade quando muito se esperava dele. Formado em Medicina, professor liceal, publicista e sobretudo poeta, «de escrupulosa metrificação, facilidade e riqueza de rima, delicadeza e elevação dos conceitos, sobriedade de imagens», como transcreve de uma crítica num jornal da época, Aleixo Manuel da Costa, no seu valiosos Dicionário de Literatura Goesa, editado pela Fundação Oriente, em 1997.   Vicente de Bragança e Cunha, na sua Literatura Indo-Portuguesa, Figuras e Factos, de 1926, enaltece-o muito:«A Lyra da Sciencia, embora vazada nos moldes da balofa musa de Guerra Junqueiro, já tinha denunciado de quanto era capaz o belo talento do poeta indiano. Na Deusa de Bronze se afirmou porém, original o temperamento dum poeta que pugnava com primorosa correcção em prol dos artigos do seu credo (...) Talento de alta intuição artística, Paulino Dias sabia colorir com mestria as cenas que feriam a sua sensibilidade de artista.»
 O Dr. R. P. Kaushik, médico, pensador e guru indiano, nascido em 1926, e que valorizava muito o falar e ser-se escutado, como forma de se criar um campo psíquico forte de satsanga ou agrupamento de verdade, diz num retiro em Goa neste dia em 1973: «Qualquer mente que depende de drogas ou da identificação com um objecto, pessoa ou conceito é uma mente pesada, lenta, porque não tem energia própria, não tem luz de si mesma... O Kundalini é uma consciência, uma energia presa nos centros inferiores da coluna vertebral, praticamente o tempo inteiro na pessoa normal materialista. Quando Kundalini desperta, então torna-se o Om, que é o símbolo da consciência e da realidade total, humana ou divina».


24-XII. Jesus nasce, no ano 0, se é exacta a data, na Palestina, no Médio Oriente, para trazer à Terra o máximo possível de amor e luz espiritual, mostrando o caminho amoroso da ligação ao Pai e Mãe, e o da libertação do egoísmo e ignorância. Pena foi que judeus e romanos não o aceitassem e matassem, certamente antes de tempos e que os seus seguidores, em geral, pouco tivessem realizado o seu ensinamento, e assim o que tivemos não foi mais do que uma pálida e disforme semelhança, senão contrafacção, e bem visível por vezes nas cruzadas contra as heresias e o Islão, ou na expansão europeia pelos outros continentes ou ainda nas lutas religiosas da Reforma. Passado esse tempo de ignorante fanatismo, hoje para o cristão ecuménico que se consegue abrir à presença divina, não se dispersando demasiado nos presentes e nas comidas na quadra natalícia, os raios da corrente espiritual divina deixarão de descerão e iluminarão a alma que aspira realmente a que o seu amor e consciência renasçam.
O presépio construído em Lahore em 1597 pelo irmão Bento de Góis, o explorador da Alta Ásia, «tão lindo como os de Goa», brilha para os milhares de visitantes que após a missa do Galo penetram no recinto sagrado e assistem a um auto teatral em persa. Tal como no presépio na capital do império mogol, Agra, a devoção é tão grande que palhas da manjedoura são levadas como relíquias e os pés dos padres tocados, tal como na veneração aos mestres orientais. 
Sadhu Sundar Sing (3/IX/1883-1929), um indiano convertido ao cristianismo, após uma demanda grande e uma visão forte de Jesus, e que se tornou (ou já era) verdadeiramente mais cristão que quase todos os cristãos que à Índia chegaram, dirá num discurso de véspera do Natal, não datado : «Hoje não desejo nem fortuna, nem posição, nem honras. Não desejo mesmo o céu. Mas tenho necessidade de Quem estabeleceu o Céu no meu coração. Muitos cristãos não podem realizar a Sua presença preciosa e vivificante, porque, para eles, Cristo vive na sua inteligência ou na Bíblia e não no seu coração. É preciso que um homem dê o seu coração para encontrar o Cristo. O coração é o trono do Rei dos Reis. A capital do Céu é o coração onde reina o Rei».
25-XII. D. Vasco da Gama, o corajoso descobridor, o íntegro mas justiceiro e até cruel almirante e governador, corpo adoentado, renasce para o mundo espiritual em Cochim em 1524, numa data auspiciosa, poucos meses depois de regressado à Índia pela terceira vez para pôr em ordem a governação, no ano provavelmente em que nasceu Luís de Camões, que o virá a imortalizar nos Lusíadas. Já levava muita energia anímica unificada pela sua vontade poderosa, e a experiência vária, desde o sublime ao cruel, para assimilar no além desta viagem iniciática que é a vida, transitória fisicamente e eterna espiritualmente.
D. Agostinho Konixi Setsu-no-cami Iuquinaga, capitão-geral do mar do imperador Taicoçama do Japão, cristão, celebra o Natal de 1599, dando de comer a mais de mil pessoas e convidando-as depois a ajudarem os padres que acabavam de chegar, oferecendo elas muitas coisas com vontade e amor. Resplendesceu em obras piedosas e protecção cristã, dando exemplo a muita gente. Mal sabia que já o machado estava posto à sua raíz e que no ano seguinte seria executado, ao ser derrotado na invasão da Coreia, iniciando-se um calvário para os milhares de cristãos e camponeses daquelas zonas e que em 1637 não poderão fazer mais do que se rebelar em Shimabara, liderados por Amakussa Shiro, o cristão Jerónimo, e lutar 4 meses contra as prepotências dos governadores Nangato, Catataca e Xigeharu, com os mantrans de "Jesus, Maria e Santiago", e "Louvado seja o Santíssimo Sacramento", desfraldados nas bandeiras, que jazerão depois no solo empapadas de sangue. Os sonhos da evangelização do mundo goraram-se e hoje, ainda com muitos retrocessos devidos em grande parte ao desgraçado imperialismo do petrodolar e ao fanatismo de algums muçulmanos, a espiritualidade de todas as tradições, religiões e povos paulatinamente vai avançando  para o centro divino, no âmago de cada ser, onde o Natal é a revelação da perenidade do fraterno Espírito divino. 

26-XII. Zahir-ud-din Muahammad Babur, o soberano de Cabul descendente pelo lado materno do mongol Gengis Khan e pelo lado paterno de Timur ou Tamerlão (1336-1405), morre em 1530, com 47 anos, na bela cidade de Agra, já como imperador mogol na Índia e «tendo feito a ligação entre a Ásia Central e a Índia, entre as hordas predadoras e o governo imperial», sucedendo-lhe o seu filho Humayun, na imagem com o pai. Três anos antes, dissera aos seus guerreiros, turcos, mongóis e uzbeques: «Cada homem que vem a este mundo tem de o deixar: só Deus é imortal e imutável. Quem se senta para a festa da vida tem de terminar bebendo o cálice da morte. Todos os visitantes desta estalagem da mortalidade têm um dia de deixar esta casa de tristezas. Morramos com honra em vez de vivermos em desgraça». Na imagem vemo-lo com o seu filho Humayun. O seu neto Akbar, aspirando mais espiritualmente, fundará, algo irrealisticamente, uma religião, Din Ilahi, a Visão ou Fé Divina, e o bisneto deste, Dara Shikoh, será já um gnóstico do espírito imortal.
O padre Lancilotto escreve a S. Inácio de Loiola de Cochim em 1548 dizendo que o Japão e a China têm uma mesma lei que pelas suas semelhanças com a cristã, deve ter sido pregada há muito pelos cristãos de S. Tomé e que têm uma profecia que hão-de receber uma lei mais perfeita. O humanista e messianista Guillaume Postel, com base nesta carta, escreve em 1552 a entusiástica obra Milagres ou Maravilhas do Mundo apelando à Concórdia mundial, na base da unidade da fé e da reforma da vida.
Congresso do "Partido de Toda a Índia" em Lucknow em 1916. Tilak, Kaparde, Besant, Wadia, Arundale, Malavya, Gandhi e Polak distinguem-se em encontros de líderes do movimento da independência da Índia. A unidade hindu-islâmica é obtida. O mestre Shuddhananda Bharati, com quem vivi alguns meses no final da sua vida, participa, mas como poeta e yogi prosseguirá sobretudo a pesquisa interna. Assim no seu ensinamento do Sama Yoga explica que acima da mente existem e podem ser experimentados planos ou níveis espirituais caracterizados pelo equilíbrio gnóstico, a felicidade, o conhecimento e a verdade. Mas mais acima e profundamente estão os da Pureza, Unidade e Divindade («Shudha Shakti Aum»), pelo que, a partir duma vida simples e justa para toda a gente, há muito descobrimento ainda a fazer.

27-XII. Carta do P. Mestre flamengo Gaspar Barzeu, de Goa, para Dom Leão, de Coimbra em 1552: «Determinei de vos escrever estas poucas regras alembrando-vos quão suave é a cruz no desejo e quão pesada é levada nas costas para que o amor vos mova a terdes cuidado daqueles que andam seguindo as bandeiras de Cristo estendidas pelos campos deste Egipto em contínua batalha contra o rei faraó e o seu exército... Ó pater, se visses tu aquelas coisas que não posso escrever, como se dilataria o nosso espírito nesta matéria; por não dar ocasião de alguma tentação não me quero mais estender... Ó caríssimos padres e frades, de todo esse santo colégio, agora é tempo de rogardes ao Senhor por mim para que, se fôr Seu serviço, de me tirar este jugo tão grave que trago aos ombro, e mandar-me ao Preste João como eu confio que será. Nosso Senhor, que nos ajuntou aqui sobre a terra, nos ajunte na glória e nos confirme em Seu amor». 
 

Em Macau, em 1783, devido às desgraças sucedidas nos últimos três anos, desde que o Senado retirara o soldo de soldado a S. António, foi decidido de novo evocar-se a sua protecção, atribuindo-se-lhe o posto e o soldo de capitão. Também no Brasil, em Lagos e em outras terras com fiéis seus, S. António assentou praça e foi promovido, ele que provavelmente seria um objector de consciência, ou um servidor cívico...

28-XII. Carta do bispo de Dume, de Cochim, 1523, ao rei: «Vejo outra coisa ser bem pouco serviço de Deus e de Vossa Alteza: muitos infiéis se tornariam à nossa fé católica, e por os cativarem, vindo-se fazer cristãos, muitos o não são. Sentença é do Sacro Canône que todos os infiéis que fugirem para a nossa fé católica sejam livres... Quanto ao viver dos clérigos e dos frades que estão fora destes mosteiros, por a maior parte é muito corrupta e por seu mau exemplo se perde muito a devoção dos cristãos da terra... Quanto a Cananor está por capitão D. João da Silveira, muito bom fidalgo e de sã consciência e rege a sua fortaleza com muita prudência e amor, assim para os nossos como para os da terra, e não há homem que dele tenha querela, e é zeloso e aproveitador das coisas de Vossa Alteza, como pode saber». Eis exemplos de cristãos, ou fiéis, que não foram para Índia só para enriquecer, rapinar, matar ou converter, e que conseguiram desbastar o seu egoísmo suficientemente para reconhecerem os valores dos outros e descobrirem que o Espírito Divino é o mesmo, ainda que manifestado com diferentes aspectos e denominações nas várias tradições, e é a base da Religião e Filosofia Perene universal.
29-XII. Um dos mais fulgurantes pensadores e pedagogos portugueses, Leonardo Coimbra, nasce em 1883. Companheiro de Teixeira de Pascoais (na imagem) e Jaime Cortesão na revista Águia, será com estes pensadores, o inspirador e mestre de Agostinho da Silva, Sant’anna Dionísio, José Marinho e Álvaro Ribeiro, entre outros, e por eles de António Quadros, Afonso Botelho, Pinharanda Gomes, Brás Teixeira, Dalila Pereira da Costa, Santiago Naud, António Telmo e outros, cultores das especificidades da alma lusitana, mas por vezes acantonados numa escola da Filosofia Portuguesa mitificada e algo sectária. Estudioso da tradição portuguesa e europeia contemporânea, também estará atento à tradição espiritual do Oriente e dirá: «Os sábios orientais, os misteriosos magos do Tibete, dirigem as forças planetárias por meio de correntes de pensamento e, no Ocidente, qualquer de nós tem recebido cadeias de sorte, geradoras, pela força do pensamento, que acumulam, do bem ou do mal, conforme as apoiamos do nosso bem-querer energético ou lhe subtraímos a energia cortando-lhe o curso da sorte pela recusa da força do nosso concordante pensamento». Eis, um mestre do criacionismo anímico que reconhece a união luminosa do Oriente e do Ocidente.
Na tarde deste dia 29 em 1972 em Pangim, no Instituto Menezes Bragança, Renato de Sá pronuncia uma conferência sobre Goa, nos Lusíadas, onde refere os 17 anos passados por Camões no Oriente, a maior parte deles em Goa, onde tinha a sua modesta república de convivência de camaradas de letras, com Calisto Sequeira, Luís Franco Correia, João Toscano, Manuel Ferrão e como foi protegido pelos Vice-reis D. Constantino de Bragança, D. Francisco Coutinho, protegendo por sua vez Garcia da Orta, já que intercedeu pela publicação que estava muito dificil dos valiosos, e hoje raríssimos, Colóquios dos Simples, e onde surgiu impressa a sua primeira poesia. Os cantos finais dos Lusíadas teriam aqui sido compostos tal como varias poesias e o auto ou peça teatral Filodemo. Renato de Sá, era farmacêutico e um grande amante da cultura portuguesa na Índia, tendo fundado o Centro de Cultura Latina em Panjim, a partir do qual publicava a Revista Harpa Goesa, de cujo nº 5 tiramos esta notícia e fotografia.

30-XII. Zarpam de Goa em 1605 duas naus capitaneadas por Brás Telles de Meneses e Pêro da Silva Meneses, seguindo numa delas o franciscano Gaspar de S. Bernardino que regista como à despedida a saudade se aumentava ao tocar da frauta e charamela e «meneando o brando vento nas galés e navios, os galhardos pendões, e estandartes, cuja vista tanto acrescentava a mágoa em todos». O facto de chover grossamente, impedindo de tomar pelo astrolábio a altura do sol foi a causa do naufrágio e da sobrevivência trabalhosa até que, em Mombaça, Frei Gaspar decide viajar por terra com um companheiro rumo a Portugal, resultando disso o judicioso “Itinerário da Índia por terra até à ilha de Chipre”.
Neste dia em 1741 o papa Bento XIV expede uma Bula e Constituição em defesa dos Indios pedindo que sejam castigados com gravissimas penas os «homens, que, fazendo profissão da Fé Catholica, vivem tão inteiramente esquecidos da Caridade infusa pelo Espírito Santo nos nossos corações e sentidos, qu reduzem a cativeiro; vendem como escravos; e privam de todos os seus bens não só aos miseráveis Índios, que ainda não alumiou a luz do Evangelho, mas até os mesmos, que já se achão bautizados, e habitão nos Sertões do mesmo Brasil, e nas terras Ocidentais, Meridionais, e outras daquele Continente; atrevendo-se a tratá-los com uma desumanidade tal que, apartando-os de virem buscar a Fé de Cristo, os fazem antes endurecer no ódio, que contra ela concebem por aqueles motivos.»
Começa o primeiro curso médico em 1804 em Goa; dos formados seguirão alguns para se aperfeiçoar em Coimbra. Médicos dos corpos, mestres das almas, todos nós devemos ser um pouco e para isso a Sabedoria tem as suas musas e museus, universidades e mestres, médicos e enfermeiras, bálsamos nas chagas do Ecce Homo. 


Ramana Maharishi nasce em 1879 em Tiruchi, no sul da Índia, e será um dos últimos grande realizados na tradição não-dualista (Advaita). Recomendava a meditação na pergunta «Quem sou Eu?». O seu centro junto à montanha sagrada de Arunachala continua a ser um valioso local de peregrinação e meditação, onde estive por duas vezes. Em relação às experiências espirituais e apontando para a continuidade da consciência espiritual, que podemos equiparar a oração incessante enaltecida por Erasmo no seu Modo de Orar, que traduzi com Álvaro Mendes, dirá: «O que vem num clarão desaparece como tal. O que tem um começo tem de ter um fim. Só quando a consciência omnipresente é realizada é que será permanente. De facto a Consciência está sempre connosco. Toda a gente sabe, Eu sou... Ninguém pode negar o seu ser... O corpo é eu é o erro. Este sentido falso do eu deve ir-se. O verdadeiro Eu está sempre aqui. É aqui e agora. Nunca aparece de novo ou desaparece... O conhecimento errado "Eu sou o corpo" é a causa de todos os problemas. Este conhecimento errado tem de se ir. Isto é a Realização. A Realização não é a aquisição de algo novo ou uma nova faculdade. É apenas a remoção da camuflagem». 

Romain Roland, prémio Nobel da Literatura em 1915, admirador ou amante da Índia perene, biógrafo de Ramakrishna, Vivekananda e de Gandhi, amigo de Rabindranath Tagore, outro prémio Nobel da Literatura (na imagem), deixa a vestimenta terrena neste dia em 1944. Disse: «Se Cristo foi o Príncipe da Paz, Gandhi não é menos digno desse nobre título. Mas a paz que ambos trouxeram aos homens não é a paz da aceitação passiva, mas a paz do amor activo e do auto-sacrifício».  
31-XII. De Cochim, escreve o P. Mestre Belchior em 1561 aos padres e irmãos da Companhia de Jesus: «Assim os simples e os idiotas arrebatam o céu, e nós, com nossas letras, praza a Deus que não sejamos lançados nos infernos, porque sabeis, irmãos, quanto mal faz ter espírito limitado e não infinito e universal a todas as partes». Eis uma confissão bem lúcida das trevas a que as doutrinas e dogmas podem acabar por desterrar e densificar o ser humano, alienando-o das suas potencialidades e dons de Filho ou Filha de Deus.
O vice-rei Manuel Saldanha e Albuquerque, conde de Ega, troca a sua residência de Panelim em Velha Goa para Pangim, em 1759, embora só em 1835 é que a mudança é definitiva, ficando o palácio transformado em Hospital, e o que restava da Goa Dourada e da Roma do Oriente, como disse Orlando Ribeiro, «a maior cidade portuguesa dos séculos XVI e XVII, três vezes mais extensa que Lisboa e com mais do triplo da sua população, computada, muito por alto, em 300.000 habitantes», cada vez mais entregue a padres e frades e às sombras tutelares, dum passado tanto grandioso e imortal, como cruel e imoral. Como com o decorrer do tempo o casamento das pedras e da natureza santifica os lugares, Velha Goa é hoje sem dúvida um local de peregrinação para todo aquele que se interessa pela tradição portuguesa e goesa, pela união do Oriente e do Ocidente. Uma aura indizível de não-raça, não-tempo, não-nacionalidade, não-religião parece ter-se originado do encontro indo-português, e pairar sobre os campos, rios, templos e pessoas de Goa, convidando-nos a aprender as lições do passado, a aperfeiçoar-nos, e a comungar na grande Unidade Original e Eterna e na sua derivada Fraternidade cooperante humana.