sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Luísa Ferreira, Sónia Serrano e Luís Brito, Conversa na CAL, casa da América Latina.

A Casa da América Latina apresentou, de 7 de Outubro a 18 de Dezembro, a exposição fotográfica “Increíble”, da fotógrafa portuguesa Luísa Ferreira. E a 17 aconteceu um diálogo.


No cartaz, duas fotografias bem caracterizadoras da especialidade do olhar enquadrante e fotográfico da Luísa: a arquitectura, com as  suas linhas de força e luz, expansão e convergência, e as pessoas na sua intensidade  anímica e facial do momento único, que é frequentemente a fotografia, bem na linha do ichi go, ichi-e, o encontro único,  do Japão, onde a Luísa certamente se sentiria às mil maravilhas e donde enriqueceria muito a Fotografia Portuguesa do Oriente...

      A exposição reuniu várias fotografias registadas pela fotojornalista numa viagem de quatro dias e meio à Cidade do México. A Inauguração foi no dia 7 de Outubro e a 17 de Dezembro ocorreu um animado diálogo sobre viagem e fotografia.

Uma assistência atenta e, no fim, dialogante ouviu, vizualizou e assimilou o que se foi debatendo sobre o que leva as pessoas a viajarem, se a insatisfação se a mera necessidade de viajar, com preparação ou sem preparação, e a fotografarem e como o fazem...

O anúncio da Casa da América Latina dizia assim:
«Esta sessão pretende reflectir sobre os desafios do fotógrafo hoje. As inovações tecnológicas do mundo em que vivemos se reflectem na vida quotidiana das pessoas. Para muitas delas, fotografar passa a ser um gesto automático e as imagens uma forma de expressão, se pensarmos na adesão crescente a redes sociais criadas com esse propósito.  
Ao longo de duas horas, vamos conversar com Luísa Ferreira sobre cultura visual e fotografia de viagem, um género ameaçado (ou não) pela banalização da imagem, e o que distingue a boa fotografia das demais. A conversa terá ainda a participação da investigadora Sónia Serrano e do escritor Luís Brito. Emília Tavares, curadora do Museu Nacional de Arte Contemporânea, será a moderadora da conversa.»
Esta foi também uma oportunidade para visitar a exposição de Luísa na CAL, "Quatro días e meio - Increíble", que terminava no dia seguinte».

Sónia Serrano, investigadora das viagens pioneiras de mulheres, tendo recentemente publicado na Tinta da China "Mulheres Viajantes" e Luís Brito,  que publicou o Alcatrão, com reltaos de viagens pelos vários continetes, há pouco com 4 meses e tal da Índia, testemunharam bem as suas visões, conceitos e experiências. Ao centro, a tão sensivel quão experiente e amiga Luísa Ferreira, com quem já expuz  na Galeria Novo Século do Carlos Barroco e da Nadia, conta como por vezes consegue viajar sem fotografar ainda que esteja sempre a ver os enquadramentos do que a rodeia.

Emília Tavares, curadora do Museu Nacional de Arte Contemporânea, foi uma calma e sábia moderadora da conversa.
Uma outra viajante e escritora, ou sobretudo boa desenhadora, Desenhos de Animais, na América do Sul, tendo o seu livro circulado por entre a assistência.
Ao lado da escritora, a ilustre amiga Eva Tuuhea, também boa viajante e dialogante.
A noite fendida pelas luzes no cais da Rocha de Óbidos, onde Fernando Pessoa e Álvaro de Campos gostavam de se inspirar ou entusiasmar em sensacionismos ou interseccionismos que ficaram em poemas famosos, tal a Chuva Obliqua, sem dúvida o mais conseguido dessa escola ou metodologia...


E como intervi bastante no diálogo final, narrando, a propósito da maior ou menor facilidade de viajar nos dias de hoje, ou se ainda há lugares desconhecidos, ou que tipo Absoluto nos atrai, alguns aspectos das peregrinações que fiz, eis uma fotografia minha em jovem, da segunda vez que fui por terra até à Índia e peregrinei à casa e ashram de Nicholas Roerich, mestre do Agni Yoga e notável pintor, em Kulu Valley, norte da Índia. 






Sem comentários: