sexta-feira, 30 de março de 2018

Anjos e seus ensinamentos, na Exposição "As Ilhas do Ouro Branco", no MNAA.


    Na exposição temporária no Museu Nacional de Arte Antiga "As Ilhas do Ouro Branco. A encomenda artística na Madeira nos séculos XV-XVI", encontramos um belo painel do começo do séc. XVI, onde podemos destacar três elementos principais: os Anjos, que suportam um medalhão circular com as letras IHS, e que não estão sob o olhar e a bênção de uma figuração antropomorfizada da Divindade mas antes a contêm  dentro desse medalhão, constituído por dois círculos, o exterior contendo a representação do Pai ou Fundador da Trindade, de mão erguida num mudra de ensino retórico, também adoptado como de bênção, rodeado de seis anjos, que o amam e louvam adorando, e mais dois que elevam e dois que fazem descer esse monograma de IHS, de Ihesus, ou Jesus, que se encontra no centro.
 
  Podemos dizer que os Anjos estão-nos a mostrar uma abertura circular para os mundos espirituais e divinos, tendo ao centro como sua chave um dos sons e nomes divinos, IHS, bem dourado ou flamejante no vermelho da aspiração de amor e unidade, bhakti na tradição indiana...

 A composição é muito dinâmica na sua roda da Fortuna e muito rica de cromatismos, em especial vermelhos e dourados e tanto nos Anjos mais próximos e mais distantes como na aura ou mundo que envolve o nome Divino, IHS, que sabemos que ao longo dos séculos se prestou a  especulações esotéricas, tal como a Palavra Perdida, a utilizações de ordens religiosas, tal como os Jesuítas, e a ser  suporte de metodologias psico-espirituais, tais acolhidas como mandalas, ícones..
 
 Este IHS, que se assemelha a outros mantras da Sabedoria Perene, tais como os gregos IAO e o EI, é também ele abreviatura grega das três primeiras letras do nome de Jesus em grego: iota, eta e sema. Pronunciado e meditado é um bom meio seja de concentração e sintonização com Jesus, ou no seu ígneo amor, seja no som sagrado, como sonorização da Palavra, Sermo ou Verbo primordial, por exemplo, na Índia reconhecido e invocado  como AUM.
 E com o apoio deste  ícone e mandala, tal repetição orante e contemplação pode facilmente alargar, harmonizar e iluminar a consciência do meditante.

 Anjos tenentes das nossas melhores aspirações e intenções, sede propícios à nossa ligação Divina!

                      Anjos, tão  lúcidos quão graciosos, capazes de estimularem o nosso coração espiritual.....


  Um espírito celestial que suporta as orbes do mundo, ou as estabiliza para o nosso olhar espiritual as poder contemplar, por vezes representado nas portadas de livros das ordens religiosas ou mesmo em esculturas, qual Atlas e navegador na base da janela do convento de Cristo.

 Saudações amorosas e luminosas aos Anjos da Guarda, ao misterioso ou subtil Arcanjo de Portugal, que não é S. Miguel, e à Divindade... Que nos inspirem, iluminem e fortifiquem mais!

Segue-se uma pequena filmagem de dois minutos diante do belo e inspirador painel, bem propício para contemplação curativa e iluminativa...

                       

Sem comentários: