sábado, 30 de setembro de 2017

Jaime Magalhães Lima e Antero, Tolstoi e Jesus: Um prefácio..

Jaime Magalhães Lima, condiscípulo de Tolstoi e de Antero de Quental, e sem dúvida um dos discípulos-mestres da Tradição Espiritual Portuguesa, deu por vários modos testemunho de intensa aspiração espiritual e de tal discipulado. 

E se o mais conhecido testemunho é a peregrinação que fez à Isnaia Poliana de Tolstoi, na Rússia, que descreve num capítulo  do livro   de 1889 - Cidades e Paisagensnoutros momentos, noutros livros e revistas, no epistolário com o Antero e nos diálogos com pessoas, partilhou também tal unidade de procura da Verdade e de afinidade de almas, ideais e valores. 
Anotemos apenas, na sua vasta obra, de 1892 - As doutrinas do Conde Leão Tolstoi e, finalmente, em 1909 - O ensino de Jesus: uma exposição simples (tradução desta obra de Tolstoi), cujo valioso prefácio e primeiras páginas resolvemos transcrever, num século XXI cada vez mais necessitando da mensagem viva de Tolstoi, de Antero, de Jaime Magalhães de Lima, de Gandhi, de Jesus, de Gautama Budha, de Mahavira Jina, de Krishna e de tantos outros mestres e obreiros da Paz e da Justiça, da Verdade e da Liberdade, do Amor e da Divindade.
Que realça Jaime Magalhães Lima em Tolstoi, face à demanda eterna da Verdade e de Felicidade que nos anima a todos? 


O fervor da crença, a glória das visões, o sopro genial no apostolado sincero e na arte da escrita, inquebrantáveis, falando-nos e apontando-nos os caminhos do Amor e da Verdade, que já Jesus procurara transmitir e que nos tempos modernos, de tão grande torvelinho material e tantas guerras cruéis e desnecessárias, mais necessários e actuais se tornam. O espírito de Deus é Amor, está em cada um de nós e devemos pô-lo em acção, altruística, solidária e fraternalmente.
Este era também o ensinamento último de Antero de Quental: em tal abnegação em relação ao egoísmo e ao ego, o ser humano entrava mais na santidade, ou seja, na esfera do Bem Comum, na menor pessoalidade do Espírito divino vivido por nós.
Podemos ver ou receber este ensinamento, por exemplo, exactamente numa carta de aconselhamento a Jaime Magalhães Lima (do Cartaxo e a 28-V-1889) na qual assinala muito bem a sua exigente luta pela diminuição do egoísmo e uma certa impessoalidade e santidade:«Vivendo cada vez mais para os outros, sentindo morrer em cada dia dentro de si mais uma parcela do eu egoísta que tanto nos ilude, tanto nos faz sofrer e errar, irá entrando gradualmente naquela região da impersonalidade que é a verdadeira beatitude».
Ora, segundo a compreensão e a fé de Tolstoi, para o simbólico Reino dos Céus, ou o mundo Espiritual e Divino, se tornarem mais presentes entre nós, o Amor é a chave, pois ele está em todos os seres, é o mesmo Espírito divino em todos e o que os une e lhes proporciona esse supremo Bem e Beatitude (a tão importante Ananda, na tradição indiana, e na Bhakti Yoga, a via do Amor a Deus), o de estarem no Amor, mais consagrados ou mais abertos a Ele-Ela, Divindade...
Leiamos então o prefácio de Jaime Magalhães Lima, de 1909, e as primeiras folhas do texto sobre o ensinamento de Jesus e do Amor, de Tolstoi...










Realcemos, para finalizar, a parte inicial do texto de Tolstoi, na versão de Jaime Magalhães Lima: "O Espírito de Deus é Amor. E o amor vive na alma de todo o ser humano". 
Assim, na proporção que cultuamos e vivemos o Amor, assim estamos mais vivos e assim o Espírito Divino cresce ou desvenda-se mais em nós.
O Bem procurado por Antero é o Espírito em nós, é o Amor em nós, é a Divindade em nós e no Cosmos.
Na proporção do nosso Amor à Divindade e ao Amor, assim Ela e Ele se manifestam mais em nós, iluminando a nossa essência emanada deles e inspiram-nos e fortalecem-nos,  como Cavaleiros e Cavaleiras do Amor, na demanda do Graal, Fiéis do Amor na Tradição Espíritual Portuguesa, no rio da sua língua órfica nos comunicando, comungando e adorando...
Demos Graças, nas Três Graças, cultivando e cultuando o Amor,  e lutemos ou esforcemo-nos por haver Ahimsa, menos violência e falta de amor na cena política internacional (que políticas miseráveis de criação e utilização do dinheiro e riqueza) grande sofrimento e vergonha da Humanidade e do sistema Solar...
AMOR....


Sem comentários: