sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Antero de Quental: carta a Jaime Magalhães Lima, de 13-X-1886. Com vídeo.

Gravei em vídeo a carta de Antero de Quental ao seu amigo Jaime Magalhães Lima, datada de 13 de Outubro de 1886, por ser muito valiosa de ensinamentos. Tem a particularidade de ser a primeira carta conhecida de Antero para Magalhães Lima, assim se compreendendo melhor o início dela: «Meu caro Magalhães Lima. Consinta-me este tratamento familiar, e deixemos as Excelências para aqueles com quem não temos outra comunhão senão a de pertencermos à mesma sociedade em geral».  
Com efeito na correspondência de Antero, religiosamente compilada pela Ana Almeida Martins, encontramos nove cartas   sendo a primeira, de 13-X-1886 e a última, bem dramática, também enviada de Vila do Conde, de 9-II-189, dirigidas a Jaime Magalhães Lima (em baixo, numa fotografia anos mais tarde. No vídeo está uma invulgar fotografia dele oferecida com dedicatória ao jornalista Avelino de Almeida.)  
                                     
Entre elas sucedem-se sete cartas de alta escrita sobre ética, filosofia, espiritualidade, literatura, etc., e esperamos ler e comentar mais uma ou outra delas pois contém verdadeiros cristais da Tradição Espiritual Portuguesa, senão atente-se a um extracto da 2ª, uma das mais elevadas: «o que nos salva é a obediência cada vez maior às sugestões daquele demónio [daimon] interior (...) é a fé na espiritualidade latente mas fundamental do universo,  é o amor e a prática do bem, para tudo dizer numa palavra. É por isso que a melhor filosofia será sempre a que melhor auxiliar a compreensão e a prática da virtude». E na 3ª « a justiça perfeita para com os outros chama-se caridade; a justiça perfeita para com nós próprios chama-se humildade».
Antes de ouvir a gravação da  primeira carta a Jaime Magalhães Lima comentada por mim, transcrevamos estão a tal carta última e bem dramática e que ainda hoje nos desafia a sermos melhor e mais despertos e activos pelo Bem da Humanidade:
 «Meu querido amigo. 
Vou exigir de si um sacrifício - não sei se será grande ou pequeno - mas sei que o fará. Preciso absolutamente de si no Porto durante seis meses. A Liga [patriótica do Norte] vai naufragar por falta de um homem - o secretário-geral, tão único como o Presidente, senão mais. O Porto não o tem! Há quatro dias que penso nisso e já desesperava, quando me lembro do Jaime! O Jaime é o homem; é o único. Há-de vir. O que se vai passar em Portugal é seríssimo. Faça cada um o sacrifício no altar da Pátria. Eu sacrifico a minha saúde, que naufragará de todo no meio disto, e muito provavelmente o meu nome, que antes de seis meses estará manchado. Não importa. Quero sacrificar a vida, e morrerei contente se tiver vivido 6 meses ao menos da verdadeira vida de homem que é a da acção por uma grande causa. O Jaime fará também à Pátria e ao Bem o seu sacrifício. Venha.
Um abraço infinito do seu
Anthero»

Que bela carta, tão palpitante de vida e de idealismo, a Pátria e o Bem pedindo o  sacrifício,  quem sabe Antero antevendo até já a sua morte. Algo profeticamente,  já que a Liga Patriótica do Norte desfez-se sem grandes resultados e Antero lá carregou mais uma desilusão. Mas que esperanças no Jaime, culminando no tão actual quão perene "abraço infinito", o qual  agora, quando dissermos ou escrevermos estaremos conscientes de provir de uma transmissão da nossa Tradição Espiritual Portuguesa, de Antero... Belo...
Qual foi a resposta de Jaime Magalhães de Lima ainda vamos sondar melhor, mas no In-Memoriam de Antero, publicado em 1896, lá está o seu contributo sob o título, Um Justo, onde confessa no começo do artigo que «já longe da hora em que um desastre cruel roubou da vida o melhor dos meus mestres, desprendida das alucinações da saudade e dos desvairamentos da dor, a grandeza de Antero de Quental cresce e atinge aos meus olhos proporções que noutra atmosfera lhe desconhecia».
Embora desconheçamos a razão da não participação de Magalhães Lima como secretário na Liga Patriótica do Norte, sabemos contudo que foram escolhidos dois secretários, Francisco Reis Santos e João de Ramos,  menos conhecidos que os já consagrados pensadores nomeados relatores, Sampaio Bruno e Basílio Teles, ambos com fundas preocupações políticas e sociais. Contudo Jaime Magalhães Lima seria um dos membros da Comissão executiva inicial, ao lado de outros amigos de Antero, como Luís de Magalhães e o conde de Resende. 
Oiçamos então a gravação, que terminou por falta de espaço talvez um minuto antes do que deveria acontecer para dar por fim o comentário...

                       

Sem comentários: