segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Carta de Giovanni Pico della Mirandola ao seu sobrinho


                                          
De uma carta do fulgurante génio Pico della Mirandola (24-II-1463 a 17-XI-1494) ao seu sobrinho Giovanni Francesco della Mirandola, na qual realça como devemos manter uma constante aspiração amorosa e atenção interior a Deus e como se pode ler e orar com mais profundidade e unidade.

«O que podemos nós, em verdade, sem a ajuda de Deus? 
E como nos ajudará Ele se não o invocarmos? 
Mas mesmo que o invoques, Ele não te ouvirá se antes não saciaste o pobre que te suplicou, pois é natural que Deus te menospreze, se tu menosprezaste um outro ser. 
Está escrito: «Sereis medido pela medida com que mediste» e noutro passo: «Felizes os misericordiosos pois eles obterão misericórdia». Contudo, quando te exorto à oração, não te exorto à que se faz com muitas palavras, mas à que, no segredo, no recolhimento do espírito, nas profundezas da alma, fala a Deus pelo afecto verdadeiro e, na nuvem luminosa da contemplação, não somente apresenta o espírito ao Pai, mas une-se a Ele dum modo inefável, que só conhecem aqueles que viveram a experiência.
E não tomo em conta a duração da tua oração, mas a sua eficácia, o seu ardor, o ser mais interrompida por suspiros que sustentada por uma sucessão contínua de frases.
Se verdadeiramente levas a peito a salvação, se desejas estar protegido dos redes das forças negativas, das tempestades do mundo, das armadilhas dos inimigos, se desejas ser agradável a Deus, se queres enfim ser feliz, faz com que não se passe um dia sem que não te aproximes do teu Deus pelo menos uma vez pela oração e, inclinado diante dele, com o sentimento humilde dum espírito piedoso, clames, não da ponta dos teus lábios mas do fundo das tuas entranhas: « Não te lembres dos meus erros juvenis e da minha ignorâncias, mas lembra-te de mim segundo a tua misericórdia e por causa da tua bondade, Senhor.»

Pintura de Bô Yin Râ..

O que deverás pedir ao teu Deus, o Espírito que intercede por nós, a necessidade de cada momento, a leitura sagrada te sugerirá, e eu peço sem descanso que a tenhas sempre à mão, esquecendo as fábulas e as invenções dos poetas. Não podes fazer nada de mais agradável a Deus nem de mais útil a ti que  folheares incessantemente os Textos Sacros, dia e noite. Eles contém com efeito uma força celeste, viva e eficaz, que transfigura com uma potência espantosa a alma de quem os lê, se ela os aborda pelo menos com pureza e humildade, no amor divino.» 
Da entrada no mundo espiritual e na luz Divina. Pintura de Bô Yin Rã.

Realcemos de novo, e para finalizar, o passo seguinte, muito belo e valioso, agora parafraseado por mim: «
impulsiono-te à oração,  no segredo, no recolhimento do espírito, nas profundezas da alma, onde, falando a Deus pelo afecto sentido e pela contemplação luminosa, te aproximas como espírito da Fonte Divina e ligas-te a Ela mais intimamente...

Certamente que cada uma das pessoas que chegar a leitura até este momento poderá ter outra experiência e paráfrase do texto inicial do nosso querido Pico della Mirandola e, se assim for o caso, agradeceria muito a quem a quiser partilhar em comentário...






Sem comentários: