domingo, 25 de setembro de 2016

A música do Geo e as nuvens e árvores do Palácio da Ajuda. Concerto, 24/9/2016



O Palácio da Ajuda convida-nos a entrar nos seus vórtices de energias ascendentes e luminosas, por muitas formas e meios plasmadas e ressoantes.

É o dia 24 de Setembro, pelas 16.30 e pouco, o Geo inicia o seu concerto de boas vindas do Outono e dos seus espíritos modeladores das aras, das almas e das nuvens, neste belíssimo Palácio Nacional da Ajuda, o qual contou com a presença do grupo habital constituído pelo Carlos Alberto Cavaco, a Catarina Barão, a Inês Martins, o António Carmo e a Teresa Araújo. Neste concerto participou e muito expressiva e harmoniosamente a Companhia Matridança.
A sala cheia e eu a chegar em cima da hora e a ficar na última fila impediram fotografias aceitáveis.  Segue-se a música inicial, Divertimentos...




O céu, ou tecto da sala sobre o qual decorreu o concerto, atrai-nos fortemente, pelas múltiplas formas hamoniosas dispostas em ovais e pelas perspectivas de luz e de fundo, e projecta-nos para os céus espirituais, sobretudo por algumas músicas que 
convidam ou impulsionam a tais movimentos ascensionais a alma mais sensível, interiorizada ou receptiva... 

Sobe pelo fio da alma ou sutratma, pela música ou shabda, sat nam, até à harmonia das esferas e hemisférios, até à oval da paz e do Amor, ao infinito azulado do Espírito e do Divino...



Na bela sala rosada das Nuvens (ou dita sala dos Archeiros) a música do Geo encantou muito certamente os Manes antigos (provavelmente aqui cantados pelo imortal Bocage) e os Kamis e Anjos actuais, muito bem evocados em pinturas de Cupidos Archeiros do Amor, ligada às Musas, a Vénus e a tradição Órfica (que Camões, Bocage ou Pessoa bem cultivaram) pela lira...


E à saída no céu adjacente ao palácio da Ajuda belas formações de nuvens se delinearam sobre os rastos químicos dos aviões, em imagens que são sempre desafios à nossa clarividência das formas energéticas que a música provoca nas almas e no campo unificado de consciência e informação que nos envolve e no qual participamos pela frequência dos nossos psicomorfismos ou ideias forças que vamos gerando em vida e para a perenidade....



Por entre as sombras, nuvens e dualismos avança com o fogo do coração bem acesso...




Cedros da incorruptibilidade ou espíritos firmes no caminho da Verdade bem precisos são nos nossos dias tão corruptos, corroídos ou poluídos....



Também os céus da Tágides nossas e da Tradição Espiritual Portuguesa foram palco de concertos aéreos que formaram efeitos espectaculares, muito provavelmente também com a ajuda de alguns espíritos da natureza, devas ou Anjos, que terão tentado mitigar os efeitos dos carburantes pesados nos ares e nos pulmões...





Ligação para outra música do concerto gravada, em destaque a concertina do António Carmo:  https://youtu.be/ZgNaQXwHPoQ


As árvores inclinam-se, as árvores, como mestres, convidam-nos a abraçar o amor constante  pela Luz verdadeira, divina..

                    Sintoniza com a Árvore Cósmica em ti. Sê.

Sem comentários: