sábado, 5 de março de 2016

1ª p. de uma ida a Tomar Templária e Pessoana: S. Maria do Olival.


Registos de uma ida à Tomar Templária e Pessoana, para fazer uma introdução à ligação entre Fernando Pessoa, Templários e Tomar, na abertura da exposição das 24 obras de artistas contemporâneos que ilustraram a Mensagem, editada pelo José Ribeirinho, da Prelo Arte.

Imagens das nuvens no caminho e da visita à igreja de S. Maria do Olival, erguida em 1160, mas já sobre construções romanas e beneditinas, por orientação do mestre Gualdim Pais, tendo sido goticizada já no séc. XIII.  Nela foram e estão depositadas algumas ossadas dos Mestres templários e da Ordem de Cristo, além de belas esculturas e energias da Ordem Templária, da Ordem de Cristo e posteriores.
Com a extinção dos Templários em 1309 a igreja passou a ser sede do poder espiritual e jurisdicional  da Ordem de Cristo, fundada em 1314, sendo mesmo, a partir 1465, por bula papal, Sé Catedral para todo o espaço da expansão cristã Portuguesa dos Descobrimentos. É pois um espaço de raiz antiga e templária e que teve forte irradiação espiritual planetária..


S. Maria do Olival, panteão dos mestres Templários e da ordem de Cristo
Pedra funerária no exterior da Igreja de Santa Maria do Olival.
A nave central, culminando na cabeceira, em cujo altar no momento se propiciava a adoração da Hóstia ou a brancura imaculada do Espírito, em Jesus e em nós....


Um dos famosos Tabuleiros, que saem em procissão na época do Espírito Santo, na Festa dos Tabuleiros e que marca uma acção de graças de ligação entre a terra e Céus, a Ceres cerealífera e o Espírito Divino consolador e fecundador.
Colunas floridas e frutíferas, externas e internas... Ámen...
Lápide comemorativa da vida  heróica de Gualdim Pais, aquando da sua morte em Outubro de 1195: Requiescat in Pace, Que esteja na impassibilidade Divina...
Lápide do esforçado mestre Gil Martins

Saudações aos Mestres templários portugueses...
Princípio Feminino eternamente concebendo e sempre Virgem...

Veni Sancte Spiritus. Aqui e agora....


A cabeceira na nave central com o Santíssimo a irradiar, qual mandala do Espírito.
A mesa branca posta para o convivio ou banquete da presença imaculada divina, com o aspecto Feminino da Divindade gerando o Amor-Sabedoria incarnado, Emmanuel...
A Estrela do Oriente, ou a que guiou os Magos reais da Pérsia, ou a que guia hoje os peregrinos...
Subida e descida da consciência do Espírito.
Lápide do mestre Gil Martins, no chão da capela-mor...
Cultos pagãos e cristãos em louvor do Divino Espírito e invocando e dando graças pela bençãos na Natureza e nas colheitas
Maria Madalena, a discípula querida, ou a que ama mais ardentemente o Mestre, o Amor, a Divindade  e a Unidade potenciada...
Santa Iria, uma santa do séc. VII, não canonizada pela Igreja mas com grande culto na região, nomeadamente mozárabe, pela sua vida de amor e que foi perenizada com várias lendas ou legendas entre as quais resalta a da sua emergência das areias douradas do aurífero rio Tejo, certamente  por legendária obra e graça do Espírito que a santificou e certamente com as Tágides a participarem....
Anjos derramando graças, flores, perfumes, alegrias em quem os merece ou ama harmoniosamente
Cruz gravada na coluna lateral da porta..



A fachada ocidental

Acima dos Ventos, a orientação rubra da Divindade na Humanidade
Vista do castelo e charola Templária...
Uma árvore aberta ou templária, provavelmente da época deles...
A Igreja de S. Maria do Olival...
Nuvens escuras de aguaceiros e os cumulus ao longe, com o cipreste da imortalidade, da perenidade...

Sem comentários: