domingo, 8 de fevereiro de 2015

DO ANJO DA GUARDA, nossa COMPANHIA. I - Breves Apontamentos..

               
O Anjo da Guarda emerge do fundo negro da nossa cegueira, ou da noite imensa da Vida, num eixo luminoso e amoroso de múltiplos fios e canais para e na Divindade... 
Quem ama o seu Anjo da Guarda (ou quem o quer conhecer mais...) deverá durante o dia tentar sintonizar com ele e assim reforçar os fios ou canais de ligação ou, se quisermos, intensificar a frequência vibratória comunicativa, de modo a possibilitar uma maior aproximação a ele, ou talvez sintonização...

O estado da relação não é tão fácil de se ver como  está e por que modos melhor se realiza não só por depender de toda  a vida harmoniosa e ética que conseguimos desenvolver mas sobretudo por se passar ao nível invisível da alma, e se a fé e o amor bastarão para muitos crerem nela, outros já tentarão destrinçar melhor o que se passa, tanto mais que há dois níveis em acção: tanto o vertical de ligação e intensificação sensível ou intuitiva ao alto, e portanto de apelo orante ou meditante, como também o interior da memória que nos relembra e potencializa para a acção-meditação a partir das suas experiências e assim   dá confiança e aguça a nossa atenção concentrada, apelante, clarividente, pondo-a já de algum modo em moldes psicomórficos (imagens-forças) já experimentados, ou se quisermos, pondo-nos numa ressonância vibratória mais acertada ou adequada

Daqui a importância de tanto lermos e ouvirmos informações verdadeiras (e há vários livros de anjos cabalísticos e outros, que em grande parte se baseiam em meras repetições de esquematizações inventadas no final do séc. XVIII ou em efabulações "nova-era" superficiais), como sobretudo de perseverarmos nas nossas próprias orações e contemplações que, partindo do nosso interior, abrem e renovam as ligações e que orientam o nosso foco da luz da atenção para o alto subtil onde o Anjo vive, de modo a que possamos melhor senti-lo e ouvi-lo, vê-lo e amá-lo...
Quem ora e medita, estuda e labora, e vive harmoniosamente, recebe a visitação do Anjo de quando em quando...
Assim a experiência torna-se mais do que uma referência: é uma vivência, uma janela reinvocadora e uma sensibilidade intensificadora da percepção subtil da sua proximidade...

O Anjo da Guarda desvenda-se então como o nosso guia e protector sempre que é mais necessário, e surje ora como a consciência da nossa totalidade, desde os ossos até aos raios ou asas e ao ambiente e grupo em que estamos como, finalmente, Ele próprio, mensageiro do Divino, nosso amor e mestre, tão próximo e tão subtil...

Nosso ser angélico, nosso guia peregrínico, alma gémea sonhada, avistada e amada...

Sem comentários: