quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Ensinamentos espirituais. Do Graal actual.

O ser humano é basicamente energia e consciência, pensamentos e sentimentos, partículas e fotons, raios e vibrações.
A energia alimentar e respiratória, a solar e a cósmica, sob a forma de raios e partículas, são as fontes mais conhecidas, mas há muitas energias invisíveis e subtis que chegam até nós ou nos atravessam e que conhecemos mal, nomeadamente as radiações da terra, com os seus solos, rochas e cristais, as das árvores, dos ventos, das nuvens, ou mesmo as dos pensamentos e emoções, dos anjos e espíritos, estes fora de corpos terrenos e sem os cérebros que muitos julgam ser os produtores da consciência, do pensamento e do ser..
Compreendermos ou realizarmos melhor o ser humano na sua dimensão subtil e espiritual sempre foi um desiderato prosseguido por indivíduos e grupos ao longo dos tempos, eu chamar-lhe-ia mesmo a demanda do Santo Graal e, modernamente, os meios informáticos permitem um aprofundamento e uma partilha bastante maior do que se conhece ou do que se pode e quer transmitir, intensificando as nossas possibilidades de realização.
A dificuldade é até mais a da excessiva informação que nos rodeia e a falta de discernimento do que é mais importante ou verdadeiro, pois há muita manipulação e simulação, distorções e limitações no que é apresentado como verdadeiro ou apropriado...
Consideramos o mais importante da vida ser as pessoas estarem felizes e que entre as muitas realidades que podem apoiar tal desiderato, além da alimentação e trabalho que deveriam ser bastante mais apoiadas pelas potências governamentais, o auto-conhecimento é fundamental e as escolas e universidades ou mesmo as religiões pouco o apoiam ou estimulam, ainda que certamente haja boas excepções...
          “Ser humano conhece-te a ti próprio e conhecerás as dimensões e seres subtis do                          Universo, ou os Deuses”, foi escrito no frontão do templo de Delfos, na Grécia.

Corpo, alma e espírito, eis a tripla divisão do ser humano, a trindade nele a ser investigada, trabalhada, cultivada, amada e assim surgiu tanto a demanda das religiões, a dos cultos dos mistérios, a iniciática, a espiritual, e a da filosofia perene ou dos Cavaleiro(a)s ou Fiéis do Amor, tal como hoje a das neurociências e das físicas quânticas acerca da consciência...
Tentemos então equacionar alguns aspectos menos conhecidos desta tríade que vive na terra, nomeadamente algo da dimensão subtil electromagnética do corpo e do ser humano, a qual se revela ser quantitativamente uma infinitésima parte do que é o magnetismo da Terra.

Os ions, ou partículas carregadas electricamente, circulam no corpo, mas também os fotões disparam na frequência ultravioleta e produzem sons inaudíveis na divisão das células ou mitose. Somos seres compostos de milhares de partículas em vibração e em interacção constante com o que nos rodeia, campos abertos com o Cosmos, donde a Música das Esferas, que Pitágoras e a sua escola iniciática tanto cultivou e que ao longo dos séculos outros místicos ou iniciados conseguiram sentir ou ouvir, ou hoje os cientistas confirmam nas notas sonoras produzidas pelas partículas subatómicas, que nos constituem, a vibrar... 
Praticar então a escuta do silêncio, do som sem som, da unidade vibratória e ondulatória do Cosmos e de nós próprios, que a todo momento acontece e se regista ritmicamente em nós, é uma prática harmonizadora, serenizante mas sobretudo auto-consciencializadora, despertante, embora certamente difícil e só raramente desabrochando para níveis superiores...
E, quando nos entusiasmamos, apaixonamos ou nos elevamos, sentimo-nos mais leves porque a nosso corpo psico-energético é intensificado ou ampliado vibratoriamente, já não está fechado em nós e projectou-se para outra pessoa ou para outras actividades e níveis e assim o peso da gravidade é menor, ao estar a ser distribuído por uma extensão maior, enquanto que a nossa consciência subiu de nível, tanto cerebralmente como vibratória e psico-espiritualmente...
Assim com estas práticas meditativas, alquímicas ou transmutadoras, simultaneamente, estamos mais fortes e as vibrações negativas ou inferiores não conseguem penetrar nas superiores enquanto que as partículas afins do que amamos chegam até nós e nos inspiram de diversos modos e fortalecem...
Quando amamos alguém quase levitamos não só por esse assumir mais plenamente do corpo subtil vibratório mas também por estar a haver uma correspondência maior entre o nosso verdadeiro ser e a nossa personalidade e ainda o outro, numa interacção que chama as correntes do Amor e que agem sobre os outros e o ambiente...
Nas nossas meditações, por vezes, é a nossa aspiração ou amor ao Espírito e a Deus que nos eleva e podemos sentir o que foi chamado de Gloria in excelsis Deo, a claridade vibratória de ligação entre a nossa consciência na Terra e algo da que é a do mundo espiritual ou mesmo do Amor divino e dos que o conhecem e vivem...
Quando há esta harmonia tripla nós e Deus, ou eu-tu e eles ou ambiente, então a felicidade é maior ou grande, irradia e não se limita mas transfigura, contagia e, se em nós faz descer a Luz no olho espiriritual, na Natureza pode atrair seja as nuvens especiais ou ainda as fadas e gnomos, que tornam a terra ou a "árvore seca" reverdejante... 
 O “Green Man”, ou “as Fadas de mão verdes” foram avistados e afirmados... 
Quando o nosso coração dardeja mais os seus raios e a sua chama alteia-se, sentimo-nos mais altos e vamos fortificando o nosso coração ígneo, no fundo, o cálice, o Graal em nós...
Um bom Graal para se contemplar...
Mas se somos cavaleiros ou cavaleiras, peregrinas ou peregrinos do santo Graal, se tenho de erguer a minha taça com firmeza e perseverança, para que a Luz do alto desça e do íntimo brote e se transmute em visão e sensação, não podemos perder muito as forças interiores que talham ou criam o cálice e que são aquelas em que nós estamos a vibrar ou a dar coesão ao corpo-alma, nomeadamente quando estamos a fazer o que devemos e auto-conscientemente, estabelecendo a ligação com o espírito, com a grande Unidade informativa da Alma-Mundo e com a Divindade, a qual é a Fonte do Bem, Amor e Verdade. 
A demanda do Graal é uma constante batalha contra muitas forças dispersantes ou mesmo destrutivas e que surgem ora como amigas ora como inimigas mas muitas vezes apenas as absorvemos inconscientemente nas relações e informações que constantemente recebemos e nos vão enfraquecendo ou desviando...
Termos a espada da vontade e do destemor bem treinada e activa para cortarmos ou desviarmos as partículas que não nos são convenientes, cortar com televisão ou com as conversas inúteis e superficiais, não nos deixarmos corromper nem manipular, é fundamental. 
Quanto à famosa, querida ou famigerada plataforma de comunicação que dá pelo nome de Facebook há que seleccionar ou discernir bem em que amizades ou grupos entrar, e o que se deve comentar ou partilhar, para que os efeitos sejam luminosos e benéficos, dentro do equilíbrio do corpo e da mente e sob a Graça Divina, reservando-se sempre tempo para a oração, meditação, contemplação...
Em verdade, é ainda a meditação, certamente apoiada pela oração e o canto, a dança ou o gesto ritual ou bem consciente, a prática mais importante, nela e nas consequências próximas e longínquas que irradia e causa luminosamente...
Assim em cada meditação abrem-se calmamente, ou fugazmente, as ligações superiores e tanto as partículas subtis, como o equilíbrio dos neurónios, hemisférios e chakras, das emoções e dos pensamentos se realiza como também ora o antepassado, o espírito da natureza, o mestre, o Anjo nos pode surgir, por entre as práticas ora respiratórias, ora de auto-observação silenciosa, ora de entrada no coração, por vezes, por exemplo, sentindo o movimento de entrada e saída, tanto do sangue como da consciência, com algum mantra, tal como o Deu-us, A-mor. 
Sejamos pois todos trabalhadores criativos e mais abnegados da causa comum da Verdade e do Bem, cavaleiras e cavaleiros do santo Graal da Natureza harmoniosa e amada, nomeadamente pela agricultura e alimentação biológica ou orgânica, e do Divino em nosso coração, chama de Amor-Sabedoria...
Um novo ano muito frutuoso das vossas melhores aspirações e que a Luz Divina brilhe mais em Portugal dispersando as trevas, protegendo a Natureza e o Património e clarificando as mentes e ambiente geral, anima mundi nossa...

31-12-2014

2 comentários:

José Manuel Morão disse...

Bom ano de 2015, Pedro! Que a graça aumente em nós, por Cristo Nosso Senhor.

Pedro Teixeira da Mota. disse...

Pax tibi! Gratias.