segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Erasmo, mestre espiritual. A oração sem cessar...





                     
                     DOS ENSINAMENTOS ETERNOS DE ERASMO:
                                     DA ORAÇÃO SEM CESSAR…

  

      São tantos os ensinamentos espirituais valiosos de Erasmo, para aqueles que procuram aprofundar o caminho do conhecimento, da verdade e da espiritualidade, que escreverei, hoje (28 de Outubro 2013) que se festeja o seu aniversário (1466), acerca da Oração sem cessar, tanto mais que traduzi com Álvaro Mendes, e comentei e prefaciei, o seu tratado "Modus Orandi Deum",“Modo de Orar a Deus”, impresso em 2008 nas Publicações Maitreya, do Porto.

A Oração sem cessar ou oração ininterrupta, por um lado, e a oração vehemente ou intensa, frequente, por outro, são duas das recomendações principais dadas por Erasmo no caminho da realização espiritual.

Como conseguirmos  a equanimidade, a intensidade e capacidade de estarmos sempre a orar?

Poderemos ligar tal com a plena consciência, a de tentarmos estar sempre auto-conscientes, o mais lúcidos possíveis. E assim conseguirmos constantemente afastar da nossa mente e do nosso ego os factores de aceleração, perturbação e de dispersão que de facto constantemente surgem, derivados das reacções e envolvimentos múltiplos com o mundo.

Um certo desprendimento é então necessário e um constante posicionamento  supra-mental da nossa consciência. Bem como o acolhimento ou assunção da intencionalidade do nosso ser espiritual ou essencial, que está acima da personalidade e da constante competição, comparação e conflitualização, ou então das dependência e envolvimentos com os outros.

Só assim é que a nossa alma conseguirá estar mais em oração permanente, ou seja, com o seu coração e a sua mente abertos e alinhados com a Divinade, em gratidão, sentindo a presença do espírito, ou mesmo a comunhão do corpo místico, recebendo as inspirações do acesso ao intelecto único de Deus, ou seja, tanto na sua Realidade última quanto no vastíssimo campo unificado de consciência e informação da humanidade e do Cosmos

Esta oração sem cessar pode então basear-se ou apoiar-se numa consciência mais plena da nossa verticalidade tanto postural, como respiratória, como de aspiração e sintonização com a Unidade Divina e daí terem nascido tantas práticas psico-energéticas ligadas à respiração em todos os povos.

E também poderemos dizer que estamos a orar sem cessar quando a intencionalidade da nossa vida é luminosa, é e destina-se ao bem, ao amor, à compaixão, à partilha com os seres e as ideias, destas fazendo parte a Arte de Orar, a capacidade de estarmos na presença de Deus, de caminharmos constantemente Nele ou na Luz, algo que pode ser ainda reforçado pelas tais orações mais ardentes e veehmentes, as jaculatórias, mantras, palavras de poder que encontramos também por toda a parte…

Saibamos pois escolher bem os modos de viabilizarmos melhor a oração sem cessar em nós, ou ainda a consciência da Unidade divina, também chamada por Erasmo de Simplicíssima…

4 comentários:

Risoleta da Conceição disse...

Um dia, há muito tempo, um querido amigo comum, o nosso Paulo Brandão, emprestou-me um livro sobre esta forma de orar (de um autor russo) . Impressionou-me muito favoravel e profundamente e não mais a esqueci. Um abraço

Pedro Teixeira da Mota. disse...

Graças, Risoleta, pelo comentário. Sim, li e conheço bem esses livros russos, seja a Philocalia, seja os Relatos do Peregrino Russo, nos quais se utiliza uma jaculatória ou curta oração invocativa de Jesus. De facto, em todas as tradições há tais metodologias, sacralizadas ainda mais pelo longo uso. Contudo, Erasmo aponta mais para uma tomada de consciência profunda, ainda que intensificada pelas orações, preces, louvores ou cantos iniciais, ou ocasionais...

Eliminar

Unknown disse...

Pedro palavras preciosas e na hora certa. Obrigada

Pedro Teixeira da Mota. disse...

Graças! Boas inspirações e união!