domingo, 27 de outubro de 2013

Da Tradição de Portugal e da missão de cada um...

          Cada pessoa representa ou culmina uma série infinita de seres, experiências e informações, comuns a muitos outros, mas numa singularidade e axialidade (eixo entre o céu e a terra e entre a ignorância e o conhecimento) única... A impressão digital assinala no dedo essa unicidade, mas também na voz, na personalidade, na essencialiadade o único surje... A comunicação digital e internética é a explosão total de uma infinidade de unidades multiplicando-se associativamente em movimentos mais ou menos luminosos e harmoniosos...

Fazer convergir várias pessoas ou unidades nalgumas das afinidades não é tão difícil, tal como as familias, os grupos, os clubes, os partidos, as nações manifestam com tanta profusão...

Mais dificil é fazer surgir delas as singularidades que um determinado meio ou época precisa, permite ou exigiria como culminância...
E este é o grande apelo, constante nas noites mais longas e subtis...

Estamos numa época de marés cheias e de marés vivas e cavalgar ou surfar na crista das ondas é provavelmente melhor alternativa de que as termos a rebentarem em cima de nós...
Mil olhos, mil braços mostram-nos as deidades orientais...

Que rajadas de vento nos impelem mais, em que direcções devemos singrar, que contenções ou expansões devemos iniciar, com quem devemos dialogar e estabelecer os planos das caminhadas?

Em Portugal há um ser que nos une: o Ser espiritual ou Arcanjo de Portugal, a face séria, amorosa e grave do nosso país. Tentemos sintonizar mais com ele...

Depois, há a comunidade dos que aqui aportaram por nascimento ou por segundo nascimento e que nos rodeiam vivos ou mortos, ainda activos ou apenas nos testamentos anímicos e obras que nos deixaram...

Saber cultivar este fogo do lar e da nação é fundamental...

E um seus dos aspectos primaciais é o aprofundamento do tesouro dos valores, das ideias e ideais que ainda conseguem estimular, juntar, unir e impulsionar as pessoas...

Assim, sair da ignorância e do sofrimento, do egoismo e da miséria, da violência e da superficialidade são fundamentais e urgentes, e apelam ao melhor de nós...

Assim chego até ti, na noite do tempos, e desafio-te a meditares uns minutos agora sobre estas duas questões candentes e que só tu podes responder:
- O que é mais urgente e importante que eu desenvolva para o bem de mim próprio, e para o bem de Portugal?

Se uma das respostas é sermos cada vez mais a nossa singularidade e ser própria, a Seidade, o Espírito, sem dúvida que a nossa acção, solitária ou em grupos mais fortes na compreensão e na acção justa e verdadeira é bem importante...

Desenvolver a compreensão de quem somos e do que viemos fazer à terra, quais as prioridades e opções, é fundamental ser meditado e trabalhdo com regularidade...

E ao nascermos em Portugal, apercebemo-nos melhor da riqueza cultural que nos envolve, ou seja, de que há uma tradição cultural e espiritual portuguesa, que nos forma ou deforma...

Saber escolher bem os veios que vamos trabalhar, os arroios que vamos utilizar e os mestres que nos irão inspirar, é então fundamental...

Se admitirmos, o que não é assim tão certo e evidente, diga-se já..., que todo o escritor adquire no além um papel de guia para as gerações vindouras que o lerão ou reflectirão, perguntaria:
Que escritores ou pensadores mais gostas e com quem sentes mais afinidades?

Escolhe então alguma das linhas de desenvolvimento deles, ou algumas frases que te dizem mais e trabalha-as, medita-as, reescreve-as, aprofunda-as... e assim estarás a inserir-te na Tradição espiritual portuguesa e a continuá-la...

Estarás a reactivar a ligação psíquica ou espiritual com esses seres que já da lei da espada da morte terrena se libertaram e que te podem passar a inspirar-te mais...

Discerne no património da riqueza cultural do país o que te diz mais, o que gostas mais, e tenta trabalhar, trazer alguma pedra viva para a construção incessante e permanente do Templo da Verdade ou do Divino em Portugal...

Tantos campos da criatividade humana já trabalhados entre nós onde podes tu cooperar, contribuir...

Tenta assim diaria ou gradualmente aprofundar ou enriquecer alguma faceta do multifacetado cristal do trabalho, da sabedoria ou da arte, no fundo, da Tradição de Portugal...

Avancemos então e juntemos engenhos e esforços em prol da Tradição Perene em Portugal...

Façamos reverdecer a árvore quase seca..., intensifiquemos a comunhão ardente e clareadora... Sejamos mais o Espírito...

Sem comentários: